Avançar para o conteúdo principal

Sobre “O país do carnaval”, de Jorge Amado


Lúcio Cardoso, Raquel de Queirós e Jorge Amado escreveram seus primeiros romances entre os 18 e 19 anos de idade. Inveja é o sentimento que me corrói nessas horas. Sobre Maleita, do primeiro, já escrevi aqui no blog. Sobre O quinze, da segunda, escreverei em outra oportunidade. Sobre O país do carnaval (Companhia das Letras, 176 páginas), do terceiro, deixo aqui meus pitacos.
Jorge Amado é o escritor brasileiro mais popular de todos os tempos. Por mais que Paulo Coelho tenha alcançado vendas superiores e é mais traduzido do que o baiano, o autor de O alquimista não é necessariamente popular, até porque a obra de Jorge Amado teve inúmeras adaptações para o cinema e a TV, algo que o mago não conseguiu ainda. Dito isso, vale ressaltar que, mesmo sendo um best-seller, Amado escrevia literatura de qualidade, com altos e baixos, é verdade, mas ele procurava fazer arte com sua escrita, salvo quando escorregava para o panfleto político em alguns romances.
Seu primeiro livro é muito ruim do ponto de vista estrutural, mas guarda alguns trechos memoráveis. Meu julgamento às vezes usa como critério o número de marcações que faço nas páginas, sublinhando frases exemplares ou enlaçando trechos que nos fornecem uma boa reflexão. Meu exemplar de O país do carnaval está repleto de “post-its”.
No enredo, temos um jovem intelectual, Paulo Rigger, que, depois de estudar na Europa, volta ao Brasil aportando no Rio de Janeiro em pleno carnaval. “E notou que todos se beijavam e todos se apalpavam. Era o carnaval... Vitória de todo Instinto, reino da Carne...” É o início dos anos 30, tempo de profundas mudanças na política brasileira. Já na Bahia, o jovem se aproxima de um grupo de amigos, literatos como ele, e fundam um jornal. Boa parte da história é composta pelos diálogos e debates entre os amigos. Além de política, discutem sobre literatura, filosofia, religião, felicidade, amor. É nesse último tema que Rigger se sente frustrado, pois, quando se apaixona, acaba deixando a amada porque ela não era mais virgem. Mesmo querendo ser um sujeito moderno, de mente aberta, acaba preso ao convencionalismo e aos costumes arcaicos e deixa a felicidade escapar de suas mãos.

Romance de estreia, já obteve sucesso na largada, colocando no mapa da literatura, naqueles fecundos anos 30, um escritor que se tornaria o mais amado do Brasil, com o perdão do trocadilho já bastante batido.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…