Avançar para o conteúdo principal

Pitacos sobre festas literárias e cadernos de cultura

Um editor assina contrato para um futuro romance com um escritor que é "promessa literária", dono de uma biografia meio duvidosa criada para se promover, e que escreve contos ruins, com um amontoado de símiles beirando o clichê. Biógrafo e organizador dos contos de uma grande escritora se torna uma estrela literária. Uma poeta cuja obra é medíocre critica a obra de outro poeta medíocre, mas só porque ele é o “presidente golpista”. Escritoras que em vez de falarem mais sobre literatura se destacam pela reivindicação por diversidade de gênero e étnica no evento. Escritor estrangeiro, que escrevia no Facebook e diz que não sabia que fazia literatura, publica um livro, é convidado para a festa literária, é vaiado e xingado de babaca por querer falar de seu livro e não sobre os problemas do seu país e também por criticar os direitos humanos. Escritor que vende muito diz não se importar com o leitor. Jornalista estrangeira (numa festa literária com mais jornalistas do que escritores de literatura) que ganhou o mais importante prêmio de literatura do mundo, apesar de não fazer literatura, é um dos nomes literários de maior prestígio no evento. Escritor que escreveu sobre sua vida gera manchetes sobre sua beleza. Outra manchete de jornal destaca o que um poeta falou sobre a tragédia em Mariana e também o que uma escritora disse sobre a violência contra a mulher. Gritos de “fora, fulano” e “não vai ter golpe” são ouvidos durante as palestras, sendo que na última mesa, cujo principal motivo era a leitura de trechos favoritos dos autores convidados, são projetados no telão frases contra o presidente interino e um dos escritores termina sua leitura pedindo a sua saída do governo. Bons escritores participam de mesas com pouca repercussão. Outros bons escritores não são nem convidados. Outros bons escritores nunca foram e talvez jamais serão convidados.
E a literatura, como vai? Respondo: vai bem, obrigado, sendo escrita e lida por alguns poucos interessados, em suas pequenas bibliotecas particulares, longe do turbilhão dos eventos que dão destaque a tudo e a tratam como algo secundário. São esses abnegados que a mantêm viva e centro das atenções.
*

Como os jornais têm o dom de acabar com o que é bom. Depois do fim do Guia da Folha, deram fim na coluna "Para ficar em casa", restando apenas uma parte dela, a "edição Cult e a "edição Pop". Aqui no sul a ZH acabou com o caderno "Cultura", que deu lugar ao bom "PrOA", mas que acabou diluído dentro do caderno Doc. Antes ainda temos que lembrar o enxugamento do "Prosa", de "O Globo" e o fim do "Sabático" no Estadão. Claro que antes houve outros espaços nobres que eu adorava. O "Mais!" da Folha, por exemplo, foi minha universidade junto com a universidade que eu cursava. Havia ainda o "Ideias", do finado Jornal do Brasil. Na minha cidade, o jornal para o qual colaboro também andou enxugando as páginas de cultura da semana e do fim de semana. Tudo, claro, por questões econômicas, porque se fosse pelos editores, continuaríamos tendo bastante espaço. Não é à toa que os jornais estão decaindo, pois desprezam o leitor mais exigente tentando atrair o não tão exigente que, por sua vez, se contenta com informações da internet. É a roda.

Comentários

charlles campos disse…
Não tenho o mínimo fetiche por esses eventos literários. Meu negócio é apenas com os livros. Digo até que não gostaria de assistir palestra alguma de escritor que eu gosto. Compreendo muito bem o que o Faulkner disse, sobre aquilo de ter entrado em um bar em Paris, olhado o James Joyce que estava lá sentado, e ido embora. No máximo, eu faria o mesmo. Dar uma olhada no Faulkner (que sim, este seria demais), mas só; depois ir embora. Essa festa literária é só miçangas.

Acho que foi aqui em seu blog que me despertei a curiosidade de ler Julio Ramón Ribeyro. Como Só para fumantes é magnífico! Foi um deleite profundo lê-lo nesse final de semana. De quebra, comprei o Prosas apátridas.
Cassionei Petry disse…
Eu já tive fetiche por isso, Charlles, mas cada vez me recolho mais dentro da minha toca. Eu escrevi aqui sobre Julio Ramón Ribeyro sim.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …