Avançar para o conteúdo principal

Atire a primeira pedra


O tribunal da quinta-feira, de Michel Laub (Companhia das Letras, 187 páginas), é um romance atualíssimo e necessário, uma vez que aborda diversos temas polêmicos. A maneira, porém, como esses temas se propagam nas redes sociais e a destruição de reputações provocadas pelo julgamento virtual se tornam a tônica do enredo.
José Victor, o narrador, é um publicitário de sucesso. Separado de Tereza, a Teca, envolve-se com uma colega vinte anos mais nova, a Dani. Seu melhor amigo é Walter, também publicitário e homossexual assumido. Os amigos trocam e-mails e mensagens no WhatsApp com piadas bobas, irônicas, típicas dos adultos meio infantis, como o tio do “é pavê ou é pra comer”, também chegando ao escatológico, tudo relacionado à separação, ao relacionamento sexual com seus parceiros ou parceiras e também sobre a AIDS, tendo em vista que Walter é soropositivo. “Ter um corpo de quarenta e três anos não impede que se pense como alguém de quinze” é a frase que abre o romance. Lidas por outras pessoas, no entanto, esses chistes podem ser interpretados de uma forma literal, sendo passível de interpretações errôneas. É o que acontece quando Teca, num domingo, descobre a senha do e-mail do ex-marido e, juntando o que achou mais escandaloso, espalha a porcaria no ventilador da internet. Nos dias seguintes, até a quinta-feira, os prints atingem uma proporção assustadora, chegando à mesa dos chefes da agência publicitária.
A fala do narrador se assemelha ao réu em um tribunal. “Bem-vindos ao tribunal. A audiência pode tomar seus assentos neste dia bonito de 2016.” É como se vê frente aos julgamentos que ele e Walter vêm sofrendo, mas principalmente com relação à Dani, a quem não queria ferir. No seu “depoimento”, relata a escalada da AIDS a partir da lembrança de uma reportagem do Fantástico nos anos 80 e o preconceito contra os homossexuais, representados pelo seu amigo. E sente-se, a todo o momento, culpado pelas brincadeiras inconsequentes, em que pese achar errado ter sua intimidade exposta para todo mundo.
Em outros capítulos, há vários trechos de postagens e comentários na principal rede social, o Facebook. Laub reproduz com precisão a linguagem utilizada. Os “julgamentos”, diga-se, não são exclusivos de ideologias de direita ou de esquerda, como se percebe pelo jargão de cada grupo:
“Antigamente as pessoas estavam preocupadas com valores, principalmente os da comunidade sem nem falar na educação das crianças […]. Não tinha violência e essa ladroagem dos políticos. Só tem deputado ladrão […]. Antigamente os mais velhos eram “respeitados” nas ruas. Eu não tenho preconceito, mas tem uma questão de “respeito” envolvida nisso não sei por que as pessoas negam […]. Eu digo e não tenho medo hoje em dia é essa “nojeira” que se vê.”
“O mais triste num indivíduo supostamente civilizado é a incapacidade de enxergar o Outro. Não é um ser humano que está ali, mas um Objeto […]. Este pode ser o nervo de certas relações, e não estou problematizando apenas os papéis culturais de Gênero, embora estes me pareçam fundamentais aqui, não só na esfera pública das relações mercantis e da Grande Política. Estou problematizando, de forma análoga, o Teatro Social entre quatro paredes, no qual este indivíduo supostamente civilizado, posto que bem-sucedido no trabalho e demais índices de sucesso em nossa coletividade, revela-se, ao contrário, um porta-voz da Barbárie […].”

Tornar públicas conversas privadas pode ser útil no que se refere aos políticos e suas falcatruas. Quando envolve pessoas comuns, entretanto, é uma invasão de privacidade que acaba com carreiras, com casamentos, com amizades. Quanto aos julgadores, vale lembrar que podem ser depois os julgados, assim como a plateia não está longe de sentar no banco dos réus. Ninguém está livre da intolerância das redes sociais. Por outro lado, a internet não é a responsável por isso. Fofocas venenosas sempre existiram. A rede só fez a peçonha chegar mais longe. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser.2Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses.Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…