Avançar para o conteúdo principal

O escritor e seu pai


Relutei um pouco em reler A invenção da solidão, de Paul Auster (Companha das Letras, 200 páginas, tradução de Rubens Figueiredo), já que sabia que um de seus temas é a relação paterna e que a narrativa se iniciava com a morte do pai do autor. Meu pai morreu há pouco tempo e, como Auster, também tive que “entrar na mente do meu pai”, no meu caso revirar sua marcenaria, seu canto de trabalho, enquanto o escritor teve que mexer na casa paterna. Nossos pais morreram com idades próximas, 66 e 67, e já não viviam com suas primeiras esposas. O livro, além de tudo isso, nasce no ano em que nasci, 1979. Casualidades, que é, diga-se, outro tema da obra.
A primeira parte é um ajuste de contas do escritor ainda em formação com o pai que recém-faleceu. Um pai que inventou sua solidão é “inventariado” pelo filho que inventou também a sua. Algo não resolvido entre os dois ganha uma tentativa de solução através da escrita, porém sem sucesso: “Houve uma ferida e agora me dou conta de que é muito profunda. E o ato de escrever, em lugar de cicatrizá-la como eu acreditava, manteve esta ferida aberta.”
Na segunda parte, o ato de escrita é a sua solidão. “Passou a maior parte da sua vida de adulto inclinado sobre um pequeno retângulo de madeira, concentrado em retângulo ainda mais pequeno de papel branco. Passou a maior parte de sua vida de adulto sentando-se, pondo-se de pé e dando passeios de um lado para o outro. Esses são os limites do mundo conhecido.” O livro é o produto dessa solidão: “Cada livro é uma imagem de solidão. É um objeto tangível que se pode levantar, apoiar, abrir e fechar, e suas palavra representam muitos meses, quando não muitos anos da solidão de um homem, de modo que com cada livro que se lê pode se dizer a si mesmo que está enfrentando a uma partícula dessa solidão. Um homem se sente sozinho em um quarto e escreve. O livro pode falar de solidão ou companhia, mas sempre é necessariamente um produto da solidão.”
Estive mais uma vez na marcenaria do meu pai. Como ficou abandonada e não sabíamos o que fazer com ela, acabou sendo invadida e esvaziada. Levaram quase tudo que podiam levar. Em meio a algumas caixas atiradas pelo chão, encontrei uma carteirinha de um clube com sua foto, da época em que tinha 35 anos, mais ou menos a idade que tenho hoje. O olhar do pai mais jovem se encontra com o do filho, e o olhar diz “eu falhei na vida, mas também fiz coisas boas. Falhe e faça coisas boas também, meu filho”.

É o que venho tentando fazer, meu velho, é o que venho tentando fazer. 

Comentários

Diônifer Alan disse…
Bonito e poético! Só não sei dizer se todas essas relações podem ser desconsideradas ao ponto de concluirmos que há solidão no momento de escrita. Por falar nisso, quero conversar contigo sobre educação. Quem sabe não fazemos uma escrita compartilhada?
Cassionei Petry disse…
Claro, primo. Abraço.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …