Avançar para o conteúdo principal

Que alunos queremos formar?



Meu texto no jornal Gazeta do Sul de hoje.
Se por um lado há certas forças que tentam transformar a educação apenas em preparação para o trabalho, ou pior, em mão de obra barata para o mercado, por outro há forças que querem a educação formando apenas cidadãos críticos, na verdade massa de manobra de políticos, intelectuais e sindicatos. Ambos os lados não se preocupam com o ensino, com conhecimento, com cultura. Importa é utilizar na prática o que o aluno aprendeu em sala de aula.
Sempre que ideologias, seja de direita seja de esquerda, impõem suas visões de mundo no âmbito escolar, a educação não decola. Como são as ideologias que comandam o mundo, o avião permanece na pista do aeroporto esperando reparos, ainda muito longe de levantar voo. Vez ou outra ele parte, mas precisa descer logo em outro aeroporto ou voltar para o anterior, pois o combustível não foi suficiente, questão de corte de gastos, sabem como é. Avião novo, nem pensar, tendo em vista que é necessário seguir modelos já existentes e que deram certo em outros lugares. E assim seguimos, parados.
A mudança atual do Ensino Médio, por exemplo, já erra de cara por tentar mudar apenas esta etapa escolar, enquanto o Fundamental também vem claudicando há tempos. E o erro não é por estar no poder um governo de direita (que na verdade não é), pois o partido de esquerda que estava antes no comando vinha acenando com a mesma medida. Agem de má fé os que estão criticando a mudança agora e não o faziam antes. Por isso, repito, a educação não melhora, pois os argumentos para as críticas são sempre acompanhados de motivos partidários. 
As mudanças nos últimos anos falham porque ignoram que a função da escola deveria ser, no meu ponto de vista, guiar o aluno ao conhecimento do que a humanidade fez de bom e de ruim em todas as áreas do saber para depois ele construir se próprio caminho. Ele precisa sim saber, por exemplo, sobre grandes obras da literatura, mesmo que depois nunca vá “aproveitar esse conhecimento na sua vida”, como se pensa erroneamente. Se o professor não “deposita” no aluno esse conhecimento (Paulo Freire foi o grande crítico do que chamava de “educação bancária”, um de seus muitos equívocos), será escamoteada a possibilidade de o jovem descobrir a beleza dos livros.

Pensar, portanto, num ensino técnico ainda no Ensino Médio tem um objetivo prático, uma vez que visa preparar o jovem para o mercado de trabalho. Acredito que a educação não deveria ter essa função, ou pelo menos não tê-la como principal. Tampouco deveria formar o jovem para ser crítico, pois isso ele pode ser por si próprio, a partir das reflexões sobre as ideias que são apresentadas em aula. Para isso, porém, deveria ser apresentada uma pluralidade de ideias, o que não acontece. Mas aí é tema para outro artigo. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …