Avançar para o conteúdo principal

As bacantes e o carnaval

(Fonte da imagem: https://mitologiasite.wordpress.com/2015/10/04/as-bacantes/)
Andei relendo, durante as férias, as principais tragédias gregas, seguindo a ordem proposta pelo guia de Pascal Thiercy editado pela L&PM. Depois de ler as biografias de Ésquilo, Eurípedes e Sófocles, comecei com a apreciação de As bacantes, na tradução de Mário da Gama Cury, em volume editado pela Jorge Zahar Editora. Pode-se dizer que a obra é uma ode ao vinho e ao seu deus Dionísio, que recebe o nome de Baco na mitologia romana.
“De fato, sem o vinho onde haveria amor?
Que encanto restaria aos homens infelizes?”

Também conhecida como As mênades, a tragédia foi escrita por Eurípedes entre 408 e 407 a.C. Fala sobre a punição de Dionísio imposta a seu primo Penteu, rei de Tebas, e sua tia, Agave, por terem desonrado o nome da mãe desse deus, Sêmele (suas irmãs a difamaram, dizendo que ela teria mentido ao dizer que havia gerado Dionísio a partir de uma relação com Zeus), e também por não prestarem o culto que ele, Dionísio, merecia, apesar de ele ser oriundo de Tebas. Tomando forma humana, o deus entra na cidade e enfeitiça suas tias tornando-as bacantes e faz com Agave mate seu próprio filho, esquartejando-o como se fora um leão.
De certa forma, esta tragédia, na minha leitura, reflete um pouco a relação que se tem hoje com o carnaval. Há uma resistência de muitas pessoas quanto ao festejo, ligando-o a orgias (bacanais, de Baco), bebedeiras e mortes. As pessoas se fantasiam para viver este momento, como o faz Dionísio na peça, se embriagam, são enfeitiçados como as bacantes para que lhe prestem o culto e cometam, de “brincadeira”, ações que não fariam na sua vida “real”, como ficar nuas e matar animais. A partir da ideia do filósofo Nietzsche de nós seres humanos sermos ora apolíneos ou ora dionisíacos, é no carnaval que colocamos em suspensão a razão em favor da emoção.
Mas o motivo principal do carnaval é esquecer as tristezas, e nisso somos ajudados pela bebida: Dionísio
“descobriu e revelou
o leve suco produzido pelas uvas
para curar de suas muitas amarguras
a triste raça humana; a simples ingestão
do néctar tirado das uvas, nos concede
o esquecimento dos males cotidianos,
graças à paz do sono, único remédio
para nossos padecimentos.”

Por isso, segundo a peça, devemos cultuar os deuses:
“Sendo deus
Dionísio é dado a outras divindades
e lhe devemos todo o bem que elas nos fazem.”

De minha parte, cultuo os deuses gregos através da literatura, no aconchego da minha biblioteca, longe da folia. É o meu carnaval pessoal. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …