Morre o escritor argentino Abelardo Castillo


“A literatura, pelo pouco que sei dela, nasce quem sabe de uma forte tendência à incomunicação ou à má comunicação. Um escritor de ficções é alguém que na vida cotidiana muito raramente pode comunicar o que sente, seus medos, suas admirações, suas paixões, seu amor. É algo assim como um olhar de surpresa ante o real de que falavam os gregos: o que ao filósofo lhe permite refletir e, ao escritor, escrever. O único lugar onde um homem que escreve se comunica é em seus livros, e são suas personagens que falam por ele.” 
Este trecho pertence ao livro “Ser escritor”, de Abelardo Castillo, escritor argentino que morreu nesta segunda-feira. Uma das grandes descobertas literárias que fiz nos últimos anos, pois ele não é traduzido por aqui. Aliás, a tradução do trecho acima é minha e cheguei a planejar a tradução de seus contos, gênero em que foi um mestre. Contos como “El marica”, “Fermín”, “La madre de Ernesto” e tantos outros merecem ser conhecidos pelos leitores brasileiros.
Além de vários livros de contos, foi também autor de romances, como El que tiene sed, peças de teatro e o Diário, cuja primeira parte, cobrindo os anos de 1954 a 1991, já mencionei aqui no blog.
Coincidentemente, Castillo morre um dia depois de Belchior. Ambos foram apreciadores de cachimbo.



Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Eu te amo" ou sinal do Diabo?

Sobre “Amortalha”, de Matheus Arcaro