Avançar para o conteúdo principal

Notas de leitura sobre “Welcome to Copacabana e outras histórias, de Edney Silvestre




Dividido em três partes, “No Rio”, “Além do Rio” e “De volta ao Rio”, a capital fluminense é o ambiente que molda os personagens, mesmo quando estão distantes dela. E é a solidão na cidade populosa e maravilhosa que permeia as primeiras narrativas de Welcome to Copacabana e outras histórias, de Edney Silvestre (Record, 352 páginas).

No primeiro conto, que dá título à coletânea, a protagonista, Regina, uma viúva e avó, “mulher madura”, como prefere, “não sou velha, ainda falta algum tempo”, aguarda a virada do ano, cuidando as horas no relógio do micro-ondas, enquanto relembra alguns fatos da sua vida, principalmente a frustração de não conhecer Paris. Seus filhos não a visitam, salvo para tratar de assuntos do espólio. Ainda assim, rechaça a companhia de uma vizinha enxerida, e tenta se afastar de qualquer convívio permanente, indo almoçar em restaurantes distintos. “Sou sozinha (...), não solitária.”

“Ben que olhava o trem” é um conto impactante desde o início. Uma mãe que deixa o filho esperando à frente de uma borracharia enquanto sobe num caminhão para vender seu corpo e poder comprar um prato de comida frio para os dois. Para trás, havia deixado o corpo do companheiro, que ela matara depois de pegá-lo abusando do enteado, numa cena violenta. Mais cenas assim vão se sucedendo em poucas páginas, principalmente quando o menino se vê só, até chegarmos a um desfecho imprevisível. Um conto que incomoda.

Solidão, amor fracassado e amor pago são temas de “O universo não vale teu amor”, em que um professor de matemática projeta em uma mulher na rua a Madeleine do filme Vertigo, de Hitchcock. Há também aqui um final que impressiona.

Entre esses contos bons (e mais longos), aparecem algumas histórias mais curtas que destoam um pouco da coletânea. Parece que o forte de Edney Silvestre é o enredo mais desenvolvido, que não consegue condensar e causar uma impressão boa no leitor. Fraca também foi a tentativa de realizar um conto de ficção científica. Em “Zak”, o estilo fragmentado e o uso de fontes diferentes não combina com a literatura de gênero, que rechaça experimentalismos com a linguagem. Conto longo, porém o enredo não fica na mente do leitor.
Edney Silvestre deixa como pano de fundo em muitas narrativas as questões políticas e econômicas do Brasil. Um administrador que lucra com as crises do país visita o sítio arqueológico de Paestum, na Itália, em uma lua-de-mel com sua nova esposa, depois de um acordo de divórcio milionário. A vingança de uma mulher “escanteada”, no entanto, e que não é tão sonsa como parecia, aliada às pessoas certas, pode tirar toda a sua tranquilidade.

“Dentro da guerra” é uma comovente reflexão, em que uma mulher que viu sua cidade sendo destruída conversa com um homem: “Uma guerra é assim – ela ergue a cabeça do travesseiro, estende os braços para ajudar a demonstrar. Quando, por assim dizer, o senhor está voltando para casa, voltando da escola, e o senhor não consegue encontrar ela mais, a sua casa, porque o quarteirão onde o senhor mora virou um monte de tijolos de muitos pedaços, com neblina saindo de dentro”. Tema parecido é o do conto “Me tirem daqui”.


“Silvio trabalha” é a história de um garoto de programa brasileiro que vive em Nova Iorque. Em “Noite no Texas”, um brasileiro, tentando entrar ilegalmente no EUA, acaba entrando numa grande enrascada. “Apenas uma mulher de negócios” retoma a personagem Regina, que apareceu em outros dois contos, e fecha o livro com um enredo que retorna ao Rio depois de ter como cenário várias partes do mundo. Um livro que faz jus ao lema: “ler é uma viagem”.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …