Avançar para o conteúdo principal

Notas de leitura sobre El astillero, de Onetti



El astillero, de Juan Carlos Onetti, serve como metáfora para uma porção de coisas. Penso agora numa metáfora para a política nacional, em que pese ser uma obra de um uruguaio, publicada nos anos 50. A literatura, pelo menos a boa literatura, nos proporciona esse tipo de reflexão.

Larsen, o protagonista, apelidado de Junta-Cadáveres, volta para a cidade de Santa Maria depois de cinco anos de sua saída involuntária (que será tema do romance posterior de Onetti). Consegue emprego numa localidade próxima como gerente de um estaleiro em decadência. Apesar de falido, seu proprietário, Jeremías Petrus, ainda pensa que está no auge e oferece a Larsen um bom ordenado como gerente. Este, por sua vez, flerta com a filha do patrão, uma mulher com problemas mentais, com o objetivo de herdar a empresa e a suposta fortuna da família. Há ainda alguns funcionários que resistem às dificuldades financeiras vendendo por debaixo dos panos as máquinas do estaleiro.

Como se não bastasse, Petrus vendia ações falsificadas da companhia, tentando assim valorizá-la. Detentor de uma delas, Gálvez, um dos dois funcionários remanescentes, delata às autoridades a falcatrua e o dono é preso, alegando motivos nobres para ter feito o que fez e ainda com esperança de prosperidade. Frustrado, Larsen vai embora e morre de febre algum tempo depois.

A história é aparentemente banal e sem graça, porém é narrada de forma magistral por Onetti. Fosse de outro escritor, eu abandonaria a narrativa. O livro parece o próprio estaleiro: decadente, em ruínas, mas mesmo assim acreditamos no seu potencial, o defendemos e Onetti no engana com suas falsas expectativas, tal Petrus com suas ações.


Assim é nosso país hoje. Decadente, em ruínas, não consegue consertar mais nada, mesmo assim há os que desejam comandá-lo, seduzem seus filhos, que caem na sua lábia, falsificam nossas esperanças e quem delata as falcatruas cometidas por seus comandantes também cometem suas falcatruas, vendem o que não é seu para se beneficiar. O final do país tem tudo para ser tão melancólico quanto El astillero.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

Escrevo no Amálgama sobre "A montanha mágica"