Avançar para o conteúdo principal

Além da vida?

Estou lendo o livro Amor além da vida, de Richard Matheson (que escreveu Eu sou a lenda, Em algum lugar do passado, o conto "A caixa", entre outros textos que viraram filmes), cuja adaptação para o cinema, estrelada por Robin Williams, está sendo citada em reportagens sobre o filme “Nosso Lar”. Ora, Matheson criou uma obra de ficção que, apesar de se basear em livros espíritas, não quer passar aquilo tudo como algo real, enquanto que o livro do Chico Xavier (mais uma vez ele), do qual surgiu o roteiro para o "Nosso Lar", pretende retratar uma realidade psicografada além-túmulo como se fosse verdade. As imagens criadas por Matheson são bastante oníricas e baseadas em telas e livros de outros artistas, enquanto CX cria um mundo com características do mundo material para retratar o mundo espiritual. Enfim, há muitas diferenças.

Sábado estava na casa da minha mãe me preparando para o casamento de amigos ( o que não fazemos pelos amigos, hein? Até à igreja eu fui!), quando passava na TV uma cena da novela das 6. Aparece um menino rezando para o anjo da guarda para que sua mãe não morresse. O anjo aparece (de tênis e bermuda!) para rezar com ele, enquanto no hospital os médicos se esforçam para salvar a mãe de uma parada cardíaca. Adivinhem, a mãe se salva graças às orações, claro, pois os médicos não estavam conseguindo! Pelo menos o marido agradeceu a eles depois. Soma-se ao seriado “A cura” e temos como resultado uma pregação espírita sem limites na rede Globo. Sim, porque as pessoas não enxergam tudo isso como apenas ficção.

Domingo de madrugada durmo com a TV ligada na Band e acordo com os gritos do Silas Malafaia vendendo Bíblias a mais de 100 reais e ainda participo de um debate no Orkut com um “mala” religioso... Se eu acreditasse em D-uz eu diria: só pode ser castigo dele!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …