Avançar para o conteúdo principal

O “pecado” da opinião

Texto que mandei para a seção de opinião do jornal Gazeta do Sul em resposta a este artigo do advogado Sérgio Agra. Vamos ver se o jornal publica:

Falta de informação e contradições marcaram o artigo de opinião do senhor Sérgio Agra nesta mesma página, na edição do dia 21 de setembro. Ao tentar atacar dois nomes importantes do cenário das ideias, o advogado atribui a Richard Dawkins e a Christopher Hitchens o epíteto de “celebridades instantâneas”.

Em primeiro lugar, os dois já são conhecidíssimos pelos seus trabalhos anteriores aos livros citados. Dawkins (nome grafado duas vezes no artigo de forma errada) é biólogo renomado, documentarista e suas obras de divulgação científica são há muito tempo editadas e reeditadas no mundo todo, sendo que no Brasil seus livros, entre os quais O gene egoísta e o citado Deus, um delírio, chegam às nossas mãos pela prestigiosa Companhia das Letras. Hitchens, por sua vez, além de ser colunista de conceituados jornais e revistas britânicas, publicou recentemente no Brasil, pela mesma editora, o livro A vitória de Orwell, em que analisa a obra de George Orwell, autor dos romances 1984 e A revolução dos bichos. Deus não e grande é apenas um de seus tanto livros. Os dois, portanto, são intelectuais que não devem ser considerados celebridades instantâneas, tampouco necessitam escrever best-sellers para ganhar dinheiro. Ou o articulista teve preguiça de pesquisar sobre os dois ou foi tendencioso ao atacá-los.

O “pecado” deles, segundo Agra, foi publicar obras que discutem a existência de Deus. Qual o problema disso? Se o articulista vive no planeta Terra, deve saber que há pessoas que acreditam em um suposto ser superior e há outros que não acreditam, bem como há os que creem em vários deuses. Todos têm o direito de expor sua opinião, como o próprio Agra o fez ao final do artigo, afirmando que “há uma Suprema Inteligência que gerou este e outros inumeráveis Universos.” Soberba e orgulho - atribuídos a eles pelo autor - é achar que só essa posição é verdadeira, sem reconhecer as posições contrárias.

Por fim, o autor os chama de “celebridadezinhas”- acreditem! - e que “em alguns pares de anos nem mais saberemos quem foram”. No entanto, os compara a Nietzsche, filósofo do século XIX, que até hoje, no século XXI, é estudado e está no topo ao lado dos grandes pensadores da humanidade. Contraditório, portanto. Além disso, como já escrevi, eles já há anos têm o seu espaço garantido no cenário intelectual mundial e nunca buscaram ser celebridades, mas sim, discutir ideias.

Faltou ao articulista contrapor os argumentos de Richard Dawkins e Christopher Hitchens, pois simplesmente os acusou de terem a “petulância” de “colocar Deus em discussão”, sem apontar no que eles estão supostamente equivocados.

As opiniões, caro advogado, servem para serem debatidas. Porém, julgar os outros simplesmente por não gostar de sua opinião é injusto e vai de encontro a uma das leis dessa “Suprema inteligência” que tu defendes: “Não levantarás falso testemunho”.

Comentários

Cairo disse…
Infelizmente, conseguimos ver ignorância até mesmo em pessoas que trabalham usando as nossas leis, legislações, só para termos noção do cenário no qual o Brasil atualmente se encontra...
Anónimo disse…
Mto bom, espero que o jornaleco publique!
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário, Cairo.

Anônimo, não acho que seja um jornaleco, até porque escrevo sobre livros para este jornal. No entanto eles costumam censurar este tipo de texto. Espero estar errado dessa vez.
Paulo Sant'Anna disse…
Pertinente sua resposta. Imprescindível esse tipo de resposta às colocações do advogado, uma vez que você pegou o cerne do problema: acusação sem argumento.
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário, Paulo Sant'Anna. (Não é o famoso não, né?)
Luciano disse…
acho muito difícil publicarem, uma vez que apesar de você ter falando apenas verdades eles nunca vão admitir tal coisa, e vão preferir publicar algum comentário que concorde com eles. infelizmente.
Cassionei Petry disse…
Luciano, não é opinião deles, é do advogado, tem que ficar claro isso.
Pieces of a mind disse…
eu espero mesmo que o referido "adevogado" tenha lido, e entendido. Melhor resposta impossível !

Pergunta Cassionei: Quem coordena o jornal não tem que ler o que seus colaboradores escrevem ? Se assim o for, alguém igualmente equivocado corroborou com o que o "adevogado" escreveu.

p.s. o termo entre aspas não visa questionar a competência dele, em sua área específica.
Cassionei Petry disse…
Não deve ter lido.
No caso do jornal, é uma página de opinião, não de colaboradores, não significa que a editoria concorda com texto. Mas não publicar essa resposta, sei lá. Nem me responderam o e-mail em que perguntei se iria sair. Espero que amanhã tenhamos uma "luz".
Obrigado pelo comentário.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…