Avançar para o conteúdo principal

Meu nome citado mais uma vez pelo Scliar na ZH de hoje

Sou citado na coluna do Scliar de hoje na ZH pela terceira ou quarta vez. Como eu já escrevi nas outras ocasiões, ele responde sempre aos e-mails dos leitores e chegou até elogiar 3 contos meus que mandei para ele, como pode ser lido ao lado nos gadgets do blog (se ele achou mesmo o que escreveu, aí eu não sei...).
Sobre a ZH, infelizmente a partir de quarta-feira deixará de fornecer o acesso grátis pela internet ao conteúdo do jornal impresso, o que é uma pena, pois perderá muitos leitores que não vão, como eu, querer assinar o jornal, sendo que há outras fontes de informação na web.
Segue o texto do Scliar do jornal de hoje:

O país dos espectadores

MOACYR SCLIAR

Quando a independência foi proclamada, às margens plácidas do Ipiranga, não havia nenhum jornalista presente, nenhum fotógrafo, nenhuma equipe de tevê (Aqui estamos, acompanhando a comitiva de Dom Pedro I, que neste momento deteve-se: é que um mensageiro acaba de chegar, com uma carta. Dom Pedro a lê, testa franzida. Está preocupado; não, está furioso. Alguma coisa vai acontecer.).

~

Mas a cena, de qualquer modo, foi registrada, ainda que em retrospecto. Encarregou-se disso o artista paraibano Pedro Américo, que tinha estudado em Paris e era um respeitado representante da arte acadêmica no Brasil. Em 1888, e a pedido do governo imperial (um dos últimos pedidos, aliás) pintou uma gigantesca tela, de quase 8 metros de largura por 4 metros de altura, que atualmente está no salão nobre do Museu Paulista da USP. Originalmente chamava-se Independência ou Morte, mas ficou conhecida como O Grito do Ipiranga. Pintura acadêmica, claro, grandiloquente mas com pretensões realistas. Além de Dom Pedro, os personagens principais são os garbosos cavaleiros da comitiva; formam um semicírculo à direita e à frente do grupo principal. À esquerda (não esquerda política, esquerda espacial), Pedro Américo não quis colocar cavaleiros; talvez achasse que era poder demais para uma obra só, mesmo grande. Mas algo, ou alguém tinha de aparecer ali, até por questões de simetria, de composição visual. O artista então optou por uma solução que, se não chega a ser inusitada, pelo menos chama a atenção. O que temos ali, à esquerda, é uma carreta com toras, puxada por bois e guiada por um homem do campo que olha a comitiva com óbvia curiosidade e até espanto.

~

Pedro Américo preparou-se longamente para pintar o quadro. Ia frequentemente à região do Ipiranga, em São Paulo, e ficava estudando a luz, a topografia. Mesmo assim foi acusado de distorcer os acontecimentos. Diz-se que, na verdade, não eram cavalos que o grupo montava, mas sim mulas, mais humildes, porém mais adequadas para uma marcha forçada, difícil, e longa: o cortejo, vindo de Santos, subira penosamente a Serra do Mar. E provavelmente estariam usando roupas mais simples, não os luxuosos uniformes que ostentam; e certamente estariam cobertos de poeira, porque estradas, naquela época (melhor dizendo, trilhas), eram de terra batida. Por último, historiadores sustentam que Dom Pedro não estaria em condições de praticar gestos heroicos; naqueles dias, acometera-o uma diarreia, doença típica de países pobres e com problemas de saneamento.

~

Mas o carreteiro, este sim, respira autenticidade, perplexa autenticidade. Obviamente não está entendendo o que se passa. É um espectador passivo, ainda que curioso e interessado. Neste sentido, corresponde ao popular, que Verissimo imortalizou numa crônica notável. O popular, diz-nos o Luis Fernando, é aquele cara que está sempre presente em momentos de tensão, em momentos explosivos; mas limita-se a observar o que se passa. Como o povo brasileiro, aliás. À exceção de revoltas populares, de episódios de quebra-quebra, os brasileiros eram espectadores. Foi assim no 7 de setembro de 1822; e foi assim no 15 de novembro de 1889. Só depois é que viriam a se dar conta das mudanças ocorridas. Mas o Brasil mudou muito. As pessoas estão informadas, têm opinião, e sobretudo votam. O voto, não o brado heróico dos mandatários, é que condiciona os rumos do país. Certo, eleições podem resultar em equívocos, mas isso faz parte do processo: em democracia a gente aprende pelo método da tentativa e erro. O carreteiro de Pedro Américo certamente concordaria.

~

Inteligência e cultura não faltam aos leitores desta coluna. Agradeço as mensagens do lendário Flavio Del Mese (que viajou pelo mundo todo) de Dione Giradi, Mauro Fantinel, Melissa Berny, Nora Peixoto, Neide Maria La Salvia, Roberto Fonseca Dalbem, Daniel Heuser, Gabriela Fiorio, Ismael Façanha, Ricardo Heurich, Luciano Pletsch Leite, Mauro Duarte, Kimberly Santini, Renato Lampert, Maria Augusta Soares Correa, Esther Mambrini, Mauricio F.de Macedo, Antonio Nunes, Rosemary Seewald, Cassionei N. Petry, Sergio A.Bortolini, Lucas M.Bertuzzo e do Milmar da Silva Lara, aliás dono de um nome que condiciona destino: ele trabalha no mar, no rebocador da Petrobrás que fica de plantão 24 hs por dia para agir em caso de desastres como o que aconteceu no golfo do México. Precisamos de mil como o Milmar!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …