Avançar para o conteúdo principal

Queimar o Corão?

Quem lê meu blog e me conhece bem (aliás, no meu perfil do Orkut digo que sou ateu e tenho imagens críticas à religião, no entanto meus “amigos” me mandam recados como "fica com deus...") sabe que sou contra qualquer tipo de livro considerado sagrado, principalmente a Bíblia SANGrada. Mesmo assim, fiquei indignado com a ideia de um pastor americano de queimar o Corão. Ora, o Corão é um livro e, apesar de seu conteúdo, deve ser cuidado como fonte de conhecimento, mesmo, repito, que seja um conhecimento com o qual não concordo. Queimar livros lembra as piores ditaduras e, principalmente denota uma fraqueza intelectual para responder com argumentos contrários aquilo que é ensinado, ou seja, é atestado de burrice queimar livros em vez de criticá-los.

Lógico que sempre é lembrado nesses casos o livro de Ray Bradbury, Fahrenheit 451 - já resenhado aqui no blog e na Gazeta por mim -, e que foi adaptado para o cinema pelo Truffaut. O blog Quadrinhos inglórios compartilha com seus leitores uma adaptação para os quadrinhos, que já mencionei em outro post. Não foi lançado no Brasil, mas algumas almas abençoadas pela Nossa Senhora do Compartilhamento traduziram para nós leitores. E ainda há pessoas que denunciam esses blogs que espalham o conhecimento como se tivessem fazendo crime. Se não fossem essas almas, eu não teria assistido, visto, lido ou ouvido uma porção de coisas boas que são caras ou nunca foram lançadas na República de Pindorama.

Comentários

Jevoux disse…
E revistas como essa encontram taaaaantos impedimentos para virem pra terra tupiniquim, que é provável que nunca chegue mesmo.

Mas eu lembro como eu me senti quando eu descobri o que as universidades federais fazem com excessos de livros que elas recebem ou produzem, sejam eles compilações de artigos publicados pelos doutores ou algo do tipo, quando sobram eles são queimados.
Foi um choque pra mim também. Principalmente como estudante de letras, é como se eu fosse médico e ouvisse falar de queimar pessoas. Bem traumático assim.

Mas é compreensível, existe ainda um mistério ao redor do livro. O cara que lê demais ainda é visto como introspectivo e esquisitão e livros ainda são vistos com maus olhos pelo tamanho da influência que eles têm.

Parabéns pelo blog, bem legal. To assinando o feed dele pra ler mais com certeza.
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo belo comentário e parabéns pelo trabalho do blog.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …