Avançar para o conteúdo principal

Noites literárias

Foto do Leonardo Brasiliense, publicada no seu blog, no sarau com o Escobar


-->
As noites de quinta e sexta foram especiais para os amantes da boa literatura. Ouvir Daniel Galera, Leonardo Brasiliense, Altair Martins e, de quebra, conhecer a poesia de Escobar Nogueira não tem preço – não me livro da mania dos clichês.
Na quinta, assisti à palestra, ou melhor, bate-papo entre Galera e Brasiliense, mediado pelo prof. Norberto Perkoski (meu personagem de uma crônica). Tive a oportunidade de fazer um depoimento sobre Mãos de cavalo, romance com o qual me identifiquei muito, principalmente com o protagonista, o Hermano. Uma das dicas do Daniel é de que o escritor pode imitar descaradamente os seus mestres, por que não? O Leonardo, por sua vez, nos aconselha a escolher aquilo que nos satisfaz. Se estamos inquietos, por que não mudar, como ele fez ao tentar se dedicar ao cinema?
Na sexta, fui primeiro ao sarau do poeta Escobar Nogueira, na livraria Iluminuras. Além de conhecer a excelente figura, conheci o Altair Martins. Fomos depois para Unisc, para ouvir a palestra do Altair, com o a condução do prof. Elenor, que convidou o Escobar para compor a mesa. Tivemos o privilégio, dentre outras coisas, de ouvir trechos do romance do Altair, provisoriamente chamado Um país todo renúncia, que será publicado em 2013. Posso dizer: será uma grande obra, que vai dar muita repercussão. Além disso, na frente de todos, ele burilava os originais do livro, acrescentando trechos e corrigindo. Privilégio.
Como se não bastasse, fomos ao Centenário e, na companhia de um bom churrasco, Brasiliense, Escobar, Romar Beling, Luís Fernando Ferreira e eu conversamos sobre literatura, trocamos dicas de livros e filmes, antecipamos projetos literários... Enfim, noites perfeitas para quem, como eu, respira literatura.
Poema recitado pelo Escobar, inspirado em uma das histórias de sua infância:


-->
VELHOS AMIGOS
(Escobar Nogueira)

Quando formos amigos de novo,
te darei uma volta na minha bicicleta
e repartiremos a bergamota
sem contar os gomos.
Num vidro de compota,
conservaremos nossas bolitas
como frutas cristalizadas,
pois seremos, novamente, sócios e amigos.

Quando formos amigos de novo,
vou gritar "Já!"
e apostaremos corrida
do portão da escola
à porta de nossas casas,
e será mulher do padre
quem chegar atrás,
pois seremos, novamente, vizinhos e amigos.

Quando formos amigos de novo
e tu faltares às aulas,
assinarei teu nome nos trabalhos,
te emprestarei meus cadernos
e, no dia da prova,
te passarei a resposta na borracha,
pois seremos, novamente, colegas e amigos.

Quando formos amigos de novo,
terão que bater em nós dois
para bater em um de nós,
e se minha briga for contigo,
como se nada tivesse ocorrido,
voltaremos a brincar,
pois seremos, outra vez, crianças e amigos.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …