Avançar para o conteúdo principal

E o Nobel foi para Vargas Llosa

Merecidíssimo! Saiu hoje o Nobel para Vargas Llosa.
Segue uma resenha que escrevi, já publicada no blog e no jornal Gazeta do Sul, sobre um dos livros do autor:

Gazeta do Sul, caderno Mix, 09 de fevereiro de 2007.

Travessuras de um romancista

O novo romance de Mario Vargas Llosa não deve ser lido por quem não conhece seus livros anteriores. Explico: o leitor pode pensar que se trata de apenas mais um best-seller no mercado. Travessuras da menina má (Alfaguara, 302 páginas) possui todos os requisitos básicos dos enlatados norte-americanos: uma história de amor e traição, cortes rápidos de cenas em uma narrativa envolvente e muitas, mas muitas coincidências inverossímeis, daquelas que, a cada vez que aparecem, nos fazem dizer: “isso acontece só em novelas”. Além disso, como todo lançamento do romancista peruano, o sucesso de público é imediato e as traduções para outras línguas são quase simultâneas.

Para quem aprendeu a admirar o escritor depois de ler clássicos como A cidade e os cachorros, Conversas na catedral, A casa verde, A guerra do fim do mundo, o novo romance causa, muitas vezes, decepção. Porém, quando descreve cenas de sexo sem cair na pornografia barata ou revela o painel político, social e cultural de décadas e países diferentes com um poder de síntese impressionante, podemos dizer: esse é o Vargas Llosa.

O romance (que marca a estréia, no Brasil, do selo espanhol Alfaguara) começa nos anos 50, em Lima, no Peru. Ricardo Somocurcio, adolescente de 15 anos, se apaixona por outra jovem, Lily, admirada pelos meninos e invejada pelas meninas, pois afirmava que havia nascido no Chile. Logo é desmascarada e some pela primeira vez da vida de Ricardito. Nos anos 60, Ricardo realiza seu sonho de morar em Paris. Trabalha como tradutor e intérprete na UNESCO. Tem um amigo militante de esquerda, responsável por acolher jovens peruanos que irão estudar táticas guerrilheiras nos países comunistas. Pois um dos jovens é justamente Lily. Os dois mantém um relacionamento, mas ela tem de partir para Cuba, onde se torna amante de um militar. Já na década de 70, em Londres, por uma coincidência, acaba encontrando-a, já com outro amante e outro nome. E assim segue o baile em Paris, no Japão... Uma sucessão de coincidências, e é aí que está a grande falha do romance. O leitor se pergunta: como pode ele sempre se encontrar com a menina má em qualquer parte? Fosse em uma cidade apenas, mas em várias partes do mundo? Além disso, quando retorna a Lima para visitar seu tio, encontra, adivinhem: o pai de Lily! Sinceramente, nesse ponto, o autor deixou a desejar.

Por outro lado, há sempre uma história dentro de outra história, o que Llosa chama de “dado escondido”, em seu livro Cartas a um jovem escritor, que também está nas livrarias. Em meio à paixão doentia de Ricardito, o escritor percorre momentos importantes da política mundial e, principalmente, do Peru. É onde se manifesta as posições políticas de Vargas Llosa, que partiu da esquerda no começo da carreira para depois se tornar um neoliberal, inclusive concorrendo à presidência de seu país em 1990.

Travessuras de uma menina má é uma narrativa que nos prende do início ao fim. Vargas Llosa utiliza a técnica do folhetim, embora não em capítulos curtos, o que provoca uma narrativa ágil, novelesca, lembrando o romance Tia Júlia e o escrevinhador, cujo protagonista era um escritor de novelas de rádio. Ele ainda deixou de lado a multiplicidade de focos narrativos, que nas outras obras mudavam de um parágrafo para outro, o que pode desagradar seus admiradores, que desejam um desafio de leitura maior, porém, conquista novos leitores.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…