Avançar para o conteúdo principal

Poesia para minha esposa

Escrevi um poema para minha esposa por ocasião do aniversário dela:

Ah, as musas! Quantos não suspiram por elas.
Na mitologia grega, eram filhas da deusa Mnemósine com Zeus
E inspiravam as grandes Artes.
No Romantismo eram as mulheres adoradas
E inspiração dos poetas.
Hoje as musas são as belas mulheres na TV ou desfilando
E encantando os homens.
Eu também tenho minha musa
Que me inspira todos os dias
E me inspira até a escrever esta poesia,
Mesmo cheia de clichês.
E ela é bela, bela como uma flor,
Aliás, o nome dela é o nome de uma flor na língua inglesa:
Deise, Margarida...
Seria eu um Pato Donald atrapalhado, que não sabe como agradá-la?
Talvez.
Mas também posso ser Orfeu, pois se for preciso vou ao inferno buscá-la,
Minha deusa, Eurídice.
Mas não sou músico como Orfeu.
Posso ser Dom Quixote de La Mancha, que de tanto ler enlouqueceu,
Vestiu-se de Cavalheiro da Idade Média
E escolheu Dulcineia como sua inspiração.
Lutaria contra moinhos de vento por ti,
Mas apesar de ler muito
Estou mais para Sancho Pança.
Quem sabe posso ser Romeu
E morrer de amor por ti, Julieta.
Mas não tenho a beleza do jovem de Verona.
Fico sendo eu mesmo.
Eu que um dia cruzei na rua com uma pessoa
Que mudou minha vida.
Eu que um dia podia ter ido para o inferno
Mas fui salvo, antes de cair, por essa mesma pessoa.
Eu que preciso dessa pessoa,
Uma guerreira que me ajuda a lutar contra os moinhos de vento.
Eu, que apesar de não saber demonstrar meu amor,
Amo essa pessoa todos os dias.
Quem dera poder ter um jardim de margaridas,
Mas uma só já perfuma meus dias,
Enche de colorido meus olhos,
Sensível ao toque das minhas mãos.
Sinta agora meus lábios perto do seu ouvido
E ouça minha voz sussurrar baixinho:
Te amo!

Comentários

Mirella disse…
"Estou mais para Sancho Pança.
Quem sabe posso ser Romeu
E morrer de amor por ti, Julieta.
Mas não tenho a beleza do jovem de Verona." HAHA AAAH, QUE GRAÇA!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …