Avançar para o conteúdo principal

Voto no PMP

Houve um tempo em que me interessava por política partidária. Fui simpatizante do PT e até comprei uma estrelinha do partido, a qual usava no peito, com certo orgulho. Era uma época em que lia muito literatura dos anos 70, tanto brasileira como latino-americana e, claro, fui influenciado pelo pensamento dos escritores, a maioria de esquerda. Participava de uma rádio comunitária, crivada de militantes petistas e participei do movimento Hip Hop, mais do lado político do que no lado cultural, escrevendo raps de protesto.

O Lula na presidência foi para mim um sonho realizado, já imaginava a utopia deixando se ser utopia. Chorei quando ele discursou depois da vitória, mas prometi para mim mesmo que se não fosse um bom presidente não votaria mais nele.

O que até hoje está nítida na minha lembrança foi o que ele disse quando lançou o Fome Zero: “não dormirei tranquilamente enquanto houver criança com fome nesse país”. Passaram-se os quatro primeiros anos do seu governo e o que vi foi uma repetição, um pouco melhorada sem dúvida, do governo neoliberal do FHC e, além disso, muitas crianças no Brasil continuaram e continuam com fome. Mantendo minha coerência, não votei no Lula em 2006, muito menos no PSDB. Desiludido, tomei uma atitude que pensei que jamais tomaria: votei em branco.

Nesse tempo todo, deixei de acreditar em partidos e também no socialismo, quando percebi que pensar apenas no coletivo destrói nossa individualidade. O movimento Hip Hop demonstrou ser na prática um lugar de hipocrisia, com letras de Rap contra as drogas escritas por um MC fumando maconha. Passei então a ter certa distância de coisas coletivas, apesar de não saber dizer “não” quando me convidam para participar, por exemplo, da Associação das Entidades Carnavalescas da minha cidade, como estou participando agora.

Hoje, penso por mim. Não me importo mais com que os outros vão pensar. Por isso no primeiro turno dessa eleição meus votos também foram em branco, com exceção (sem trocadilho, por favor) do Paulo Paim, um dos poucos políticos que trabalham para valer em prol dos que necessitam: negros, aposentados, etc. Posso ser chamado de ignorante por deixar que outros decidam por mim, mas também não quero ser conivente com o sistema político que está aí, em que as ideologias são deixadas de lado para se buscar o poder.

Chega-se ao fim de mais uma campanha eleitoral de baixo nível, com acusações de ambos os lados e falta de propostas concretas. O que se vê é um discurso mais uma vez para agradar uma maioria, sejam os cretoides ou os ecochatos. Prefiro ficar no “bloco do eu sozinho”, sendo “um exército de um homem só”, do que participar do rebanho do “admirável gado novo”. Por isso, no segundo turno, devido principalmente ao proselitismo religioso começado pela campanha tucana, meu voto será da Dilma, apesar de não concordar com o governo petista, e também não quero ver a volta do PSDB ao poder. Ou seja, lamentavelmente voto no Partido do “Menos Pior”.

Comentários

Mirella disse…
Fiz praticamente o mesmo. Ainda bem que não deu Serra... Sou totalmente a favor do capitalismo, mas gostei do governo Lula. É óbvio que não será possível erradicar a fome de uma vez por todas. Sempre há um ou outro que passa necessidades; não só porque muitos não aproveitam as chances, como também acham que cai tudo do céu ou de Brasília. Achei que, economicamente, houve um avanço e que o partido está mais para o lado do capitalismo do que do socialismo. Do jeito que tudo se encontra, o socialismo não funciona mais. Capitalismo é a saída, precisa-se de lucros e que estes sejam aplicados para o desenvolvimento de diversas áreas.
Paim me presenteou até com uma Constituição Federal autografada! MAS AAAHH! Nem precisei comprar para os estudos!
Cassionei Petry disse…
Me causa um certo calafrio a palavra capitalismo, pois minha geração sempre foi muito crítica a ele, por isso o diferencio do capitalismo selvagem, que é mais destruidor. Quanto ao socialismo, na prática ele nunca funcionou pois faltava a liberdade necessária em toda a democracia. Mas, meus conceitos políticos são todos teóricos...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …