Avançar para o conteúdo principal

Os 33 mineiros e nossa visão limitada

O resgate dos 33 mineiros chilenos me põe a refletir numa porção de coisas que passam desapercebidas pela maioria das pessoas. Talvez seja esse meu grande defeito: não tenho a mesma visão do senso comum, o que é um pecado grave num mundo em que o politicamente correto é pensar como todo mundo pensa.

Comecemos por aí: o “ver” as coisas. Lembrem que os mineiros tiveram que sair com óculos escuros e à noite, porque ficaram muito tempo sem ver a luz solar. Inevitavelmente, pensei na Alegoria da Caverna, do filósofo grego Platão. É um exercício filosófico interessante de se fazer: pense numa caverna onde vivem pessoas acorrentadas durante todas as suas vidas. Voltadas para o fundo da caverna, veem apenas sombras projetadas na parede por uma fraca luminosidade vinda de fora. Para eles, a realidade são as formas que conseguem definir por essas sombras. Um dia, um deles consegue se livrar das correntes e sai da caverna. Fica cego por um bom tempo, até que suas retinas se acostumam com a luminosidade. Quando consegue definir tudo, fica deslumbrado. Volta para dentro, para contar o que viu a seus companheiros, mas o chamam de louco e é escorraçado.

Há várias interpretações para a alegoria, mas fiquemos com uma: a luz do sol é o conhecimento e as sombras são falsas percepções da realidade. As pessoas acorrentadas são as que se conformam com as verdades que nos obrigam a acreditar desde crianças e o “louco”, por sua vez, é o filósofo ou um escritor que tenta mostrar uma nova versão dos fatos e que não devemos acreditar em tudo que nos impõem.

Esses bravos mineiros chilenos trabalhavam em determinadas condições com as quais acabavam concordando por precisarem sustentar suas famílias. O acidente mostrou não só a eles, mas a todo mundo, que não podemos ser condizentes com os que querem explorar nosso trabalho. A ideologia do senso comum diz: “em boca fechada não entra mosca”. A ideologia dos inconformados diz: “em boca fechada não entra comida”. Temos sim que abrir a boca quando algo está errado. Temos de reconhecer que somos nós os donos de nossas próprias decisões.

Por outro lado, a mobilização mundial em torno do assunto prova o gostinho que as pessoas têm por um reality show. Os que assistiram ao resgate pelas tevês do mundo todo deram uma audiência considerável às redes de televisão. No Brasil, algumas emissoras comemoraram por estar à frente do IBOPE. Você, caro leitor, que assistiu ao resgate, estava preocupado pela vida dos 33 chilenos? Se sim, tem a mesma preocupação por outras milhares de pessoas passando fome? Nesse caso, mais uma vez nossa visão é limitada. A sala de estar da nossa casa é a caverna, a fraca luminosidade da tela da TV nos permite ver apenas uma parte da realidade e nos sentimos felizes com isso. Mas olhe para fora de sua casa. Não há uma pessoa que também merece ser resgatada?

Temos que pensar nos outros, mas não pensar como os outros. Temos que ser indivíduos, mas não individualistas. Temos que nos solidarizar com os 33, mas também com outros tantos milhões. Mas essa é só minha opinião. Tenha você a sua.

***
Ouvindo:


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …