Avançar para o conteúdo principal

BBB e Narciso (texto revisto)

Metamorfose de Narciso, tela de Salvador Dali

Todos nós somos um pouco narcisistas, já dizia Freud. Uma das primeiras coisas que fazemos pela manhã é olhar para o espelho. Na maioria das vezes, nos assustamos com o que vemos. Começa aí todo o processo de cuidar da aparência e, num grau de narcisismo menor, a pessoa vai apenas lavar o rosto, escovar os dentes e pentear o cabelo. Em graus maiores, não se deixa nem o quarto sem aplicar uma maquiagem. Antes de sair de casa, mais uma olhadela no espelho. Na rua, até as vitrines das lojas servem para dar mais uma conferida no visual. Os vidros dos carros estacionados também servem. Vale tudo para cuidar da vaidade.

Muitos sabem o significado de narcisismo, mas poucos conhecem a história que deu origem à expressão. Na mitologia grega, Narciso, filho do deus Cefiso e da ninfa Liríope, teve previsto pelo oráculo que sua vida seria longa, desde que nunca olhasse para si mesmo. Quando jovem, porém, ao passar por um lago, ele acabou vendo seu reflexo na superfície da água. Na versão de Ovídio, na obra Metamorfoses, Narciso ficou à beira do lago contemplando sua beleza até definhar e acabou se transformando em uma flor, a que se deu o nome de narciso. Em outra versão do mito, encantado com a figura na água, pensando que era outra pessoa, debruçou-se para abraçá-la e acabou morrendo afogado.

Os mitos tinham, entre outras funções, o objetivo de servir de ensinamento sobre fatos da nossa vida. No caso, há um alerta sobre os perigos da vaidade excessiva. O nome Narciso vem da mesma raiz grega da palavra narcótico. Ou seja, o culto exagerado da nossa beleza pode nos deixar entorpecidos e esquecer tudo e todos que estão ao nosso redor. O mais grave é se isso acontece na frente de milhões de pessoas.

O reality show Big Brother é o paraíso dos narcisistas. Nessa casa, com espelhos por todos os lados, os participantes deixam aflorar, no mais alto grau, seu lado eu-me-amo-não-posso-mais-viver-sem-mim, para lembrar uma música do Ultraje a Rigor. Eles não passam pelos espelhos sem dar uma olhada e dar um retoque no visual, com o acréscimo de que sabem que estão sendo assistidos. Eis um paradoxo interessante. Todo o narcisismo aplicado aqui não é apenas para si próprio, mas também para os outros. Ao mesmo tempo, narcotizados que estão por ser o centro das atenções, esquecem que estão sendo julgados e estão pouco se importando com o que o público, ou melhor, a massa, vai pensar sobre sua conduta na casa.

Nesse último BBB, os participantes estão acostumados a se exibir em público, seja posando para revistas femininas e masculinas, seja tirando a roupa na frente de uma webcam. Mesmo sendo acostumados a serem julgados pelos outros, mal sabem os riscos que tal exposição na mídia pode oferecer a sua imagem. Quantas pessoas não perderam empregos devido a fotos de gosto duvidoso postadas em redes sociais na internet? Se conhecessem a história do ser mitológico, saberiam que ser tão popular não é tão positivo, pois, como já filosofaram os Engenheiros do Hawaii: “o pop não poupa ninguém”.

Comentários

Mirella disse…
Narciso é meu queridinho.
Cassionei Petry disse…
Mas era um idiota. Deixou a Psiquê de lado para ficar admirando seu reflexo na água.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …