Avançar para o conteúdo principal
Uma das passagens mais hilárias do livro "Deus, um delírio", de Richard Dawkins, quando ele comenta, no capítulo 3, as "provas" de Tomás de Aquino:

"4 O Argumento de Grau. Percebemos que as coisas do mundo diferem entre si. Há graus de, digamos, bondade ou perfeição. Mas só julgamos esses graus se em comparação a um máximo. Os seres humanos podem ser tanto bons quanto ruins, portanto o máximo da bondade não pode estar em nós. Tem de haver, portanto, algum outro máximo para estabelecer o padrão da perfeição, e a esse máximo chamamos Deus.

Isso é um argumento? Também seria possível dizer: as pessoas variam quanto ao fedor, mas só podemos fazer a comparação pela referência a um máximo perfeito de fedor concebível. Tem de haver, portanto, um fedorento nigualável, e a ele chamamos Deus. Ou substitua qualquer dimensão de comparação que quiser, derivando uma conclusão igualmente idiota."

Comentários

O Richard Dawkins faz parte de um divertido time de cienistas fanáticos que tratam a ciencia com o mesmo fervor que os fanáticos religiosos que eles criticam em sus trabalhos. Carl Sagan, Dawkins e o brasileiro Marcelo Gleiser, meu xará, são os nomes que me vêm à mente no momento.. mas tem outros..

Abraço
Cassionei Petry disse…
O adjetivo fanático não cabe para quem "professa" a ciência.
Mirella disse…
Certeza absoluta de que não encontrarei esse livro na Biblioteca Pública de Venâncio, mas farei a busca. Falharei miseravelmente em minha "missão".


Acho que seria melhor comprar logo, já que não quero baixar... Quero ter em mãos.
Cassionei Petry disse…
Na Biblio da Unisc há alguns exemplares. Mas sempre é bom ter o livro mesmo.
No caso, Cassionei, não acho que seja bem o caso de "professar" a ciência, porque eles exageram na dose. Na verdade, se a gente pegar a história, vai ver que a ciência é tão falha quanto a religião ou outro discurso. Os maiores cientistas (assim como Buda, que foi um dos que escaparam do fanatismo exagerado da religião) são aqueles que sacaram que a relatividade coloca o observador no liame da relação matéria-ideia. Coisa que aliás a literatura já faz há muito tempo (é que esses caras não estão acostumados a ler Machado e outros...). Se a gente lê os livros desses "divulgadores", vai ver que eles consideram a ciência a salvação da humanidade e o discurso mais próximo da verdade humana. Continuo achando que a poesia chega mais perto, de longe...

Abração

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …