Avançar para o conteúdo principal

Mestrado em Letras

Já que chorei as pitangas aqui por alguns fracassos, agora aproveito para comemorar que o Cnpq concedeu uma nova bolsa para o Mestrado em Letras da Unisc e, como eu era o primeiro suplente, fui contemplado. Ontem já me matriculei e farei o tão desejado curso. Só não poderei me dedicar exclusivamente aos estudos porque essa bolsa serve somente para pagar as mensalidades, mais de mil reais por mês, e não recebo nada além disso, diferente das bolsas do Capes.
Aí vem um detalhe: como o dinheiro não entra direto para a Unisc, mas na minha conta, preciso de um fiador que tenha renda de R$ 3.350,00. Algum ser humano que lê meu blog ganha essa fortuna aí?

Comentários

Anónimo disse…
Você vai conseguir, acredite!! sei que as coisas são extremamente difíceis, e ninguem disse que seria fácil, nao teria sabor de vitória, mas eles podiam suavizar, não é??? bjs. A Bruxa
P.s. Eta bloguinho bão,adorei os conteúdos, sua cara. Show!!! continue assim...PARABÉNS PELA BOLSA, bem merecida.
Cassionei Petry disse…
Finalmente você comentando aqui, hein?
Nesse Brasil dominado pelas panelas, não deixe de fazer o curso, Cassionei. Tô tentando há quatro anos e nada.. sem 'peixe', só com muita sorte..
Cassionei Petry disse…
Pois é, tive a experiência com a UFRGS uma vez. Passei na prova, fui para a entrevista, mas não entrei entre os 10, os quais já tinham feito cadeiras como alunos especiais.
Aqui na Unisc posso dizer que foi por méritos meus que consegui a bolsa. Fiquei em 4º deixando pra trás alguns que fizeram cadeiras como aluno especial.
Mirella disse…
Parabéns, psor! *outra que não recebe a fortuna*
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Mirella.
Daqui a alguns anos você estará ganhando mais do que isso...
Jorcenita disse…
Oi Cassionei,
Parabéns pela bolsa do Cnpq.
Cedo ou tarde você iria conseguir!!
Abraços

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …