Avançar para o conteúdo principal

BBB lembra FEBEAPÁ (repostagem)

(Publicado em janeiro do ano passado no blog)

por Cassionei Niches Petry

Em época de BBB (Besteiras, Bobagens e Bundas) na TV, reality show assistido por milhões de pessoas em todo o país, nada melhor do que lembrar o livro que deu origem ao nome da atração. Trata-se do romance “1984”, do escritor britânico George Orwell.

Publicada em 1948 (houve também uma versão cinematográfica dirigida por Michael Radford nos anos 80), a história se passa em uma sociedade futura, onde os “cidadãos” são vigiados por teletelas, que seriam os olhos do Grande Irmão (em inglês, Big Brother), chefe supremo do Partido governante. Nesse regime totalitário, o personagem principal, Winston Smith, é funcionário do Ministério da Verdade, onde modifica as notícias dos jornais, manipulando os fatos para perpetuar o Partido no poder. Uma das passagens marcantes acontece quando o protagonista, depois de ser flagrado com uma mulher (o que era proibido), é preso e torturado. O torturador, chamado O'Brien, pede que ele responda qual o resultado de 2 + 2. Ele dá a resposta correta. O algoz diz que está errado, pois ele deveria responder 5. E tome tortura, até que ele acaba respondendo de acordo com a ordem. Mais tarde, em um café, Winston escreve sobre a poeira da mesa: 2 + 2 = 5. Ou seja, sua mente foi manipulada para esquecer a realidade.

Logicamente, devido ao programa televisivo, a expressão Big Brother, que servia como símbolo de um totalitarismo deplorável, se banalizou (pensando bem, o que a TV não banaliza?). Diferentemente do romance, o Grande Irmão são os milhões de telespectadores que se detêm na frente da tela para cuidar da vida de outras pessoas, tendo o poder de eliminar aquelas que não são de seu agrado. Os que estão sendo vigiados podem namorar, se divertir, usar roupas curtas (de preferência bem curtas) e não precisam nem trabalhar. Ainda podem embolsar uma boa quantidade de dinheiro e outros prêmios para fazerem isso. E quem tem a mente manipulada não são os vigiados, mas sim os que estão vigiando.

Se estivesse vivo, Stanislaw Ponte Preta diria que o BBB faz parte do FEBEAPÁ, o Festival de Besteira que Assola o País.


Comentários

Revistacidadesol disse…
Não seria bofes, bibas e barangas de Bial?

abs!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …