Avançar para o conteúdo principal

Tuítes sobre Paulo Coelho X James Joyce

Paulo Coelho brabinho com o The Guardian

Os tuítes da sobre o Paulo Coelho são de matar. 

RT Ensayo de literatura del Siglo XX por Paulo Coelho. Cap 2. Max Brood: hubieras quemado los manuscritos como te pidió Franz.

Paul Rabbit, brabinho com a , do Clarín, lembrou que suas obras completas serão lançadas junto com o La Nación, jornal rival. 

Depois o Paul Rabbit disse que a fez uma trollada inteligente. Ele só ganha com a polêmica.

Alguns aqui tuitando e retuitando seu orgulho por não ter lido "Ulysses", do Joyce. Putz. Tudo bem não ter lido, mas se orgulhar disso? 

Idelber Avelar, que chamou o Cortázar de escritor para adolescentes, defendendo o Paulo Coelho. Isso explica muita coisa.

 Idelber Avelar, que já chamou o Cortázar de escritor para adolescentes, agora também defende o Paulo Coelho:

Essa brincadeira de resumir a alta literatura num só tuíte é um elogio ao Paulo Coelho. Pessoal que entrou nessa não notou. 

 Defender o Paulo Coelho e a novela das oito virou moda para certa intelectualidade brasileira. 

  Mas também não dá pra ficar quieto com essa babação de ovo de alguns intelectuais e colunistas de literatura de jornais. 

 A Cláudia Laitano disse tudo em poucas palavras hoje na sua crônica na ZH sobre o que Paulo Coelho pensa de Ulisses, de Joyce => 
“Não tem nada ali” é o slogan perfeito para a mediocridade arrogante de uma época que olha com desconfiança para tudo que exige esforço..." 

 "“Não tem nada ali” não diz muito sobre Joyce, mas diz tudo sobre Paulo Coelho."

 " “Não tem nada ali”, disse Paulo Coelho, a respeito de Ulysses, um livro que há 90 anos motiva leitores de todas as partes do mundo a => 
 ... a procurarem na literatura não uma variação comportada do que já é conhecido, mas a provocação, a inquietude, o desafio."

 Aqui, na íntegra, o texto da na ZH que mencionei de manhã, sobre a bobagem dita por Paulo Coelho sobre Joyce.

 "ha aparecido una tradición que está resistiendo en interesantes catacumbas a la tentación de presentarse como antiintelectual". Vila-Matas 

 Leio no , mais um escritor que critica "los textos aburridos". Querem fazer da literatura uma parque de diversões. É um complô? 

 O Paulo Coelho apoiando a volta do ? Quero retirar meu apoio, então. O cara está fazendo de tudo pra se promover mais ainda. 

 Aceitar o apoio do Paulo Coelho é um tiro no pé. , , abram o olho. 

 Quanta ingenuidade de muitos intelectuais brasileiros ao acreditarem nas boas intenções do mago Paul Rabbit. 

 Ver o Pablo Conejo (estou me inspirando em ) como um grande representante da nossa cultura é o fundo do poço. 

 Minha timeline está cheia de citaçãos ao texto do PC em apoio ao . Bem feito. Minha mãe me dizia, cuidado com as cias. 

 Ele está querendo conquistar um público como mais peso intelectual, que eram os frequentadores do . Ele é esperto. 

 Já disse, , entendo o posicionamento, e minha posição não é política, mas literária. 

 Depois de mais um round vencido pelo Paulo Coelho em busca de reconhecimento literário, vou dormir. Jogo a toalha. 

 A Folha dando espaço para Idelber Avelar dizer que Paulo Coelho é bom escritor. Putz! 

 Um dos argumentos para defender Paulo Coelho é que ele leva muita gente a se tornar leitor. Engraçado, os brasileiros continuam lendo pouco. 

 Dizem que o PC é divulgador da nossa literatura pelo mundo. Seríamos a literatura mais lida, se ele realmente cumprisse esse papel. 

 O PC é best seller há mais de década e não formou novos leitores de outro tipo de literatura nesse tempo todo, apenas novos leitores dele. 

 Maioria que lê PC fica esperando novo lançamento dele e não lê mais nada, assim como maioria dos fãs de séries como Crepúsculo. 

 É errado dizer que a crítica só dá pau no PC sem o ler. O Manuel da Costa Pinto dissecou a obra dele na prestigiosa Cult há alguns anos. 

 , , , e dando razão ao Paulo Coelho:  

 Preparem-se para hoje: mais pedras serão erguidas para o túmulo da literatura no Brasil: novos Ulisses reduzidos a um tuíte surgirão. 

 No dia em que a Folha dá espaço para uma crítica positiva ao Paulo Coelho, anuncia o fim de sua coluna na Gazeta do Povo. 

 R.I.P. Literatura RT Participei de brincadeirinha da Folha de resumir Ulisses em um tweet:

 Agora desliga o modo irônico RT exímios esses artistas do ulysses monotweet, parabéns aí, parceirada 

 E os livros deles se espremer não dão nem um tuíte RT inclusive dá pra nos perguntarmos quantos deles efetivamente leram o livro 

 Trocadilho infame: que "parábola" o Idelber Avelar está fazendo para tentar colocar o Paulo Coelho no panteão da nossa literatura. 

 É só ele deixar a literatura em paz. RT Por que o incomoda tanto vocês? Deixem o cara em paz! 

 Pe. Fábio de Melo elogiando a "párabola" do Paulo Coelho. Espero que o PC queira a partir de agora ocupar o lugar de Jesus e não do Joyce. 

 As coelhetes agindo RT todo o universo conspira para que você realize o seu desejo




Comentários

Paulo Coelho não merece uma postagem exclusiva do seu blog. abs
Cassionei Petry disse…
Falar mal dele merece.
Desconfio do apoio de Paulo Coelho ao conteúdo livre. Ele disponibilizou sua obra na internet antes de muita gente, sim; todavia, o leitor de Paulo Coelho é um leitor de ebooks? Dá realmente para dizer que Paulo Coelho fez -- não fez: essas coisas são ideias de gente de marketing, imagem e tudo mais -- essa jogada para que seus leitores não precisassem gastar dinheiro para lê-lo? Claro que não: mero marketing; suas vendas aumentaram ainda mais.

É como o Radiohead, que lançou In Rainbows como um download digital em que o comprador é que decidia o preço do produto. Eram simplesmente pessoas boazinhas? O próximo álbum foi The King of Limbs, que foi disponibilizado para download apenas por alguns dias e depois relançado com preço fixo. O Radiohead, sem essas manobras, seria apenas mais uma excelente banda que pouca gente conhece.
Cassionei Petry disse…
É o que tentei argumentar com o pessoal que aceita cegamente o apoio dele. Dizem que tem que aceitar dele pelo peso do nome. O único beneficiado é ele.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …