Avançar para o conteúdo principal

Quarta capa do meu primeiro livro e Painel Ficção Científica

Clique na imagem para ampliar

Foi lançada a programação da Feira do Livro de Santa Cruz do Sul, cujo destaque será a presença do chileno Antonio Skármeta. Na programação oficial, estarei no dia 29, às 16h, no Painel “Ficção Científica e Leitura”.
Infelizmente o lançamento do meu livro, Arranhões e outras feridas, não entrou na programação oficial. Segundo um dos organizadores, com quem solicitei a data e horário, "diante das várias solicitações e incertezas quanto a dias, horas de lançamentos dos autores locais, na programação apenas consta que autores locais estarão lançando livros em diversos ambientes, com a divulgação regular dos autores, das obras, dos dias e horários, pela imprensa e pela mídia em geral." Ou seja, os autores locais foram um pouquinho menos valorizados, com algumas exceções. Mas tudo bem, faz parte do crescimento de uma feira dar importância ao que vem de fora, nos colocando numa programação paralela. Pena que isso aconteceu no meu primeiro lançamento.
Ainda não consegui confirmar data, horário e local (que provavelmente será o Espaço Gazeta). Qualquer coisa, pego minha pasta e me paro à beira do chafariz pra divulgar o livro.
Quando tiver tudo confirmado, prendo o grito. Depois do lançamento, o livro estará disponível, por R$32 + frete, nos sites da editora Multifoco e da Livraria Cultura.

Comentários

Elisa Elísius disse…
É isso aí, Cassionei! Em frente e avante!
Imagino as dificuldades pelas quais você deve estar passando para divulgar sua obra. Mas o sabido é que do postulado até o lugar da consideração, o caminho costuma ser difícil mesmo. Nesse trajeto, só tem êxito quem não desiste.
Ainda bem que há a internet servindo como mídia. Ainda bem!
No mais, à beira do chafariz é um espaço bem interessante para o lançamento de um livro, acho. Ao menos tem bossa, tem charme.
Sou romântica, eu sei. "Porém, ah, porém"; sei também que acreditar é a ação fundamental a qualquer esforço para suceder, alcançar.
"A vida sem atrativos" - que consta no texto da quarta capa de "Aranhões e outras feridas" - é só a parte da vida necessária à inquietude que convém ao sucesso.
Então, "voilà"!!!
p.s. O título do livro está na contra-capa. No entanto, Cassionei, como não dá para vê-lo sem aumentar a imagem, é importante que o título do livro também conste em algum lugar do texto.
Abraço e sucesso!
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelo comentário. Forte abraço.
Orgulhoso de ti, meu amigo! Tens sido um bom espectro a consolar meus melhores espíritos, pois, sendo um escritor (que é um observador perspicaz da alma humana), sabe muito bem tocar a todos nós, seus leitores, com sua "pena", que nos pinta as almas com suas tintas. Eu, ainda, posso ter o prazer e a felicidade em te chamar por amigo, e sou feliz por isso. Sucesso e felicidades. Abração!

Obs: Altair e Moacyr já disseram tudo, portanto não restou-me muito, salvo apoiar suas impressões a cerca desse mestre das letras que é.
Cassionei Petry disse…
Obrigado, sabes que estás exagerando. Abraço.
Não sei lidar com o meios termos: ou é bom ou não é. Acho que tu és bom e penso exatamente o oposto desse que voz fala hehehhe... Abração!
Cassionei Petry disse…
Tá bom, abraço. E continue caprichando lá no teu blog.
Continuamos em contado e, dia desses, marcamos para um encontro com nossas famílias. Um abraço e boa noite!

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …