Cacos

"Carlos via seu rosto no espelho quebrado do banheiro. Os cacos representavam sua condição: pedaços de um homem que já não era mais o mesmo. O espelho, que nunca foi trocado, já refletira vários rostos dele. A cada dia era outro. O soco desferido naquele objeto que o encarava todos os dias tornou sua imagem mais fiel." Continua em: http://robertmarston.blogspot.com.br/

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu