Avançar para o conteúdo principal

No Traçando livros de hoje, Cortázar e o fone de ouvido

No Traçando livros de hoje, minha página quinzenal no caderno Mix do jornal Gazeta do Sul, escrevo sobre Cortázar e sua relação com os fones de ouvido. http://www.gaz.com.br/gazetadosul/noticia/381756-salvo_pelos_fones_de_ouvido/edicao:2012-12-05.html Reescrevi o texto anterior já postado no blog.



 Salvo pelos fones de ouvido

Nas últimas semanas, minhas leituras, a escrita do romance e as notas sobre o processo de criação têm como trilha sonora uma sinfonia de martelos, betoneira, caminhões despejando britas, gritos de pedreiros e radinhos de pilha ecoando “sertanojo primário”. Não, não estou querendo ser reclamão, apesar de ser um chato assumido e me incomodar com os barulhos provocados por vizinhos. Bem em frente a minha casa, estão sendo construídas quatro residências geminadas e, por isso, fico feliz, pois outras pessoas vão realizar o sonho que minha família alcançou recentemente que é ter a casa própria. Falo sobre isso, porém, porque preciso encontrar formas para me adaptar ou tentar contornar o problema.

A quebra do silêncio, que até há pouco reinava por aqui (com a exceção de um vizinho que adora fazer festas na madrugada, inclusive nos dias da semana) interfere um pouco no ritmo de produção do meu romance, que será a base para a obtenção do título de mestrado na universidade. De qualquer forma, já tenho um aliado há algum tempo, um acessório que me acompanha durante muitos anos: o fone de ouvido, invenção do mórmon fundamentalista Nathaniel Baldwin. Desde os tempos em que passava boa parte do meu tempo no ônibus entre a cidade de Venâncio Aires e Santa Cruz do Sul, com o fone me fechava no meu mundo interior, ouvindo música clássica enquanto povoava minha mente com cenas e personagens literárias dos livros que estava lendo, ou ouvindo notícias oriundas de rádios AM de Porto Alegre. 

Na minha biblioteca pessoal onde escrevo, não é diferente. Sou egoísta nesse sentido. Apenas eu aprecio as músicas que considero as melhores da história da humanidade, ao mesmo tempo em que não incomodo os meus vizinhos. Pela internet, e através do meu fone de ouvido, consigo ouvir rádios como a Cultura FM de São Paulo, recheada de música erudita de qualidade, o que é uma redundância, ou a web rádio Mínima FM, com programas encabeçados por gente como o Luis Fernando Verissimo (sim, ele tem um programa de jazz), José Pedro Goulart, Eduardo “Peninha” Bueno e Jorge Furtado. Nada disso elimina o barulho externo, mas me ajuda a me concentrar para escrever ou para construir conhecimento ouvindo gente que tem alguma a dizer, e diz.

Meu escritor preferido é Julio Cortázar, ainda que não tenha dedicado nenhum Traçando livros a ele, o que o faço, em parte, agora. No texto “Para escuchar com audífonos”, do livro póstumo e inédito no Brasil Salvo el crepúsculo, o escritor argentino afirma que escutava jazz ou música de câmera com seus fones de ouvido não só para livrar os parentes e vizinhos de suas preferências musicais, mas porque o som é melhor, a música parecendo brotar do interior do indivíduo. Depois do texto, ele escreve um poema dizendo que quando põe o fone acontece “um silêncio diferente/um silêncio interior/(...) a caverna do crânio, os ouvidos abrindo-se para outra escuta”, à espera da agulha tocar no disco “até explodir a primeira nota ou acorde/ (...) A música não vem do fone de ouvido, é como se surgisse de mim mesmo,/sou meu ouvinte.”

O som interior que ressoa dentro de nós mesmos não se perde, enquanto que sem o fone ele sai e encontra ouvidos que não o saberiam apreciar. Um desperdício. É assim a leitura. De nada adianta ela ser divulgada, propagandeada e popularizada se os olhos não a souberem ler. Não adianta insistir com quem não quer ler. Mal sabem essas pessoas que a leitura nos salva do que vem de fora. Como o fone de ouvido me salva de sons indesejados.

Cassionei Niches Petry é mestrando em Letras e escritor, autor de Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco). Escreve quinzenalmente para o Mix e mantém um blog, cujo nome, “El alacrán clavándose el aguijón”, é retirado de uma das obras de Julio Cortázar. O endereço é cassionei.blogspot.com.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…