Avançar para o conteúdo principal

O Cássio lê o Nei



A revisão do meu romance - na verdade a visão, sem o re, a leitura - me põe na perspectiva de um leitor distante. O leitor Cássio questiona o escritor Nei. Por que escreveste tal coisa? Isso não poderia ser deixado de fora? Determinado parágrafo está muito ruim, já este outro surpreende pelo ritmo e pela ótima sacada. Foste genial aqui, Nei, mas logo adiante tua escrita despenca. Deves reescrever imediatamente. Sorte a minha que o orientador já marcou os erros ortográficos. Essa personagem parece contigo. A outra também. A terceira idem. Não há um alter ego ou os três o são, inclusive a Paula? Poderias ser mais explícito aqui. Poderias ter deixado subentendida esta parte. Não subestimes o leitor, mas também não o deixes sem entender nada, pois ele pode desistir do livro na primeira oportunidade. Essa frase é dispensável. Aqui está faltando alguma coisa. Achas que o problema é do leitor se ele não entender? Nem sempre é assim, meu caro. Deves lembrar que tu és o artista, o bobo da corte, e o leitor é o rei. Se ele não gostar do que escreveste, serás decapitado. Mas deves te lembrar também de que o bobo da corte apenas aparenta ser inferior, submisso. No fundo ele é quem ri do soberano e, até momentos antes de sentir a lâmina no pescoço, sua mente diz “eu sou um gênio, consegui o que queria: incomodar o rei”.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…