Avançar para o conteúdo principal

Querido Deus

Dear God, música da banda inglesa XTC

Caro Deus,
Espero que você tenha recebido a carta e
Eu rezo para que você possa fazer melhor que isso aqui em baixo
Eu não falo de uma grande redução no preço da cerveja.
Mas todas as pessoas que você fez a sua imagem,
parecem estar morrendo de fome aos seus pés
Porque eles não tem o suficiente para comer
De Deus.
Eu não consigo acreditar em você.

Caro Deus,
Desculpe por incomodá-lo mas
Eu sinto que eu deveria ser ouvido alto e claro.
Nós todos precisamos de uma grande redução na quantidade de lágrimas.
Mas todas as pessoas que você fez a sua imagem,
Parecem estar brigando nas ruas
Porque elas não conseguem formar opiniões sobre deus.
Não consigo acreditar em você.

Você fez as doenças
E o diamante azul?
Você fez a humanidade
Depois nós o fizemos?
E o Diabo também...

Caro Deus,
Não sei se você foi avisado mas
Seu nome está em várias citações nesse livro.
Nós os humanos loucos escrevemos; você deveria dar uma olhada.
E todas as pessoas que você fez a sua imagem
Continuam acreditado que esse lixo é real.
Bem, eu sei que não é, e você também,
Caro deus.

Eu não consigo acreditar...
Eu não acredito...

Eu não acredito em Paraiso e Inferno,
Nenhum santo, nenhum pecador, e nenhum diabo também,
Nenhum portão perolado, nenhuma cruz de espinhos.
Você está sempre deixando nós humanos abatidos.
As guerras que você traz, as crianças que você afoga,
Aqueles perdidos no mar e nunca encontrados.
E é a mesma coisa no mundo inteiro,
A dor que eu vejo ajuda a compor
O Pai, Filho e o Espírito Santo
É somente brincadeira profana de alguém.
E se você for lá em cima, você percebe
Que meu coração está em cima da manga.
E se há uma coisa na qual eu não acredito

É em você, caro Deus
Caro Deus.

Fonte da tradução: http://letras.mus.br/xtc/43397/traducao.html

Comentários

charlles campos disse…
Não conhecia a banda. Baixei pelo Torrent a discografia. Essa música, pelo que consta no allmusic, está no álbum Skylarking. Pois removeram a faixa desse disco. E não consta em nenhum dos outros títulos do grupo.
Cassionei Petry disse…
Na versão original do disco não havia. A música era lado B de um compacto de uma das músicas. Como fez sucesso, foi lançado um single só com ela e depois ela entrou no lugar de outra música nas demais versões do disco. Esse que você baixou deve ter sido a primeira versão.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…