Avançar para o conteúdo principal

“Eles querem te levar” ("Eles" VI)



Tinnitus Aurium era o nome para o zumbido interminável que José tinha nos ouvidos. Descobriu isso quando leu uma reportagem sobre um dos seus ídolos literários, que sofria do mesmo problema. O escritor dizia, na entrevista, que se acostumou com o ruído procurando se distrair com outros sons. Por isso escrevia seus romances ouvindo música clássica.
Antes dessa descoberta, José fora ao médico, que o aconselhara a se afastar ou pelo menos diminuir a quantidade de café. “Caímos na asneira de dizer o que ingerimos e aí dá nisso”, pensou ele. De nada adiantou. Ia procurar outros especialistas. Depois do que o escritor disse, no entanto, desistiu da ideia.
Acontece que o danado do ruído aumentava a cada dia. No escritório de um motel onde trabalhava, lugar muito silencioso, o mal se tornava mais evidente.
Foi lá que o zumbido deu lugar às vozes. Num primeiro momento, achava que fossem os funcionários que circulavam pelo corredor, por isso chamava a atenção deles, pois deveriam fazer silêncio para não incomodar os clientes. Eles alegavam que estavam conversando em voz baixa, o suficiente para trocar informações sobre o trabalho.
Mais tarde, José se deu conta que as vozes poderiam vir dos quartos mesmo, sendo os clientes os responsáveis pelo incômodo, pois o zum-zum-zum vinha acompanhado de gemidos. Nesse caso, não havia nada a fazer, a não ser concluir seu trabalho, esperar o final do expediente, ir para casa e ouvir uma boa música.
Naquele fim de semana, porém, quando teria que substituir o gerente que havia saído de férias, o problema se agravou. Fora verificar o movimento do estabelecimento no sábado à noite. Dos quartos do motel lotado vinham vozes e gemidos que entravam na sua mente de uma forma ensurdecedora. Avisou aos funcionários que iria para casa e que deveriam lhe telefonar somente se houvesse alguma emergência para resolver.
Em casa, pôs nos toca-discos a Nona de Beethoven. Sentou-se e procurou relaxar ouvindo a música. Quando chegou no último movimento, porém, a partir da entrada do coro, as vozes começaram a se multiplicar dentro do ouvido. Desligou o aparelho, mas elas permaneciam. Começaram a repetir a todo instante: “eles querem te pegar”, “eles querem te levar”. Saiu para a rua e as vozes continuavam a repetir as duas frases: “eles querem te pegar”, “eles querem te levar”. Correu pelas calçadas da cidade silenciosa com as mãos sobre os ouvidos. Procurava a imponente catedral de estilo gótico. Quem sabe lá encontraria a paz de que precisava. Enquanto isso, as vozes repetiam: “eles querem te pegar”, “eles querem te levar.” Parou na porta da igreja, mas ela estava fechada. Quando se voltou para a praça que ficava em frente, lá estavam eles.
As vozes cessaram. O ruído cessou. Não ouvia mais nada, nem mesmo a água jorrando no chafariz da praça. Ele encontrou, finalmente, a paz que tanto esperava.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …