Avançar para o conteúdo principal

“Eles querem te levar” ("Eles" VI)



Tinnitus Aurium era o nome para o zumbido interminável que José tinha nos ouvidos. Descobriu isso quando leu uma reportagem sobre um dos seus ídolos literários, que sofria do mesmo problema. O escritor dizia, na entrevista, que se acostumou com o ruído procurando se distrair com outros sons. Por isso escrevia seus romances ouvindo música clássica.
Antes dessa descoberta, José fora ao médico, que o aconselhara a se afastar ou pelo menos diminuir a quantidade de café. “Caímos na asneira de dizer o que ingerimos e aí dá nisso”, pensou ele. De nada adiantou. Ia procurar outros especialistas. Depois do que o escritor disse, no entanto, desistiu da ideia.
Acontece que o danado do ruído aumentava a cada dia. No escritório de um motel onde trabalhava, lugar muito silencioso, o mal se tornava mais evidente.
Foi lá que o zumbido deu lugar às vozes. Num primeiro momento, achava que fossem os funcionários que circulavam pelo corredor, por isso chamava a atenção deles, pois deveriam fazer silêncio para não incomodar os clientes. Eles alegavam que estavam conversando em voz baixa, o suficiente para trocar informações sobre o trabalho.
Mais tarde, José se deu conta que as vozes poderiam vir dos quartos mesmo, sendo os clientes os responsáveis pelo incômodo, pois o zum-zum-zum vinha acompanhado de gemidos. Nesse caso, não havia nada a fazer, a não ser concluir seu trabalho, esperar o final do expediente, ir para casa e ouvir uma boa música.
Naquele fim de semana, porém, quando teria que substituir o gerente que havia saído de férias, o problema se agravou. Fora verificar o movimento do estabelecimento no sábado à noite. Dos quartos do motel lotado vinham vozes e gemidos que entravam na sua mente de uma forma ensurdecedora. Avisou aos funcionários que iria para casa e que deveriam lhe telefonar somente se houvesse alguma emergência para resolver.
Em casa, pôs nos toca-discos a Nona de Beethoven. Sentou-se e procurou relaxar ouvindo a música. Quando chegou no último movimento, porém, a partir da entrada do coro, as vozes começaram a se multiplicar dentro do ouvido. Desligou o aparelho, mas elas permaneciam. Começaram a repetir a todo instante: “eles querem te pegar”, “eles querem te levar”. Saiu para a rua e as vozes continuavam a repetir as duas frases: “eles querem te pegar”, “eles querem te levar”. Correu pelas calçadas da cidade silenciosa com as mãos sobre os ouvidos. Procurava a imponente catedral de estilo gótico. Quem sabe lá encontraria a paz de que precisava. Enquanto isso, as vozes repetiam: “eles querem te pegar”, “eles querem te levar.” Parou na porta da igreja, mas ela estava fechada. Quando se voltou para a praça que ficava em frente, lá estavam eles.
As vozes cessaram. O ruído cessou. Não ouvia mais nada, nem mesmo a água jorrando no chafariz da praça. Ele encontrou, finalmente, a paz que tanto esperava.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…