Avançar para o conteúdo principal

Exercício de roteiro: "A história da pedra"



Cumprindo a promessa aos meus alunos de que iria um dia escrever "A história da pedra", que utilizo na aula de literatura, resolvi fazê-lo em forma de um roteiro de esquete, já que estou me exercitando no ramo e, quem sabe, alguém possa querer filmar. Segue o roteiro:

 
A história da pedra
Por
Cassionei Niches Petry

Todos os direitos reservados. cassio.nei@hotmail.com


INT. DIA. SALA DE AULA

Uma sala de aula com 20 alunos adolescentes. O professor, 33 anos, calça jeans e camiseta dos “Engenheiros do Hawaii”, dá início a uma aula sobre narrativa.


PROFESSOR
Muito bem, alunos. Nossa aula de hoje será sobre o enredo no gênero narrativo e, conforme prometido, contarei a “História da Pedra”.


Um aluno interrompe:


ALUNO I
É a história de um viciado em crack, sor?


A turma toda ri.


PROFESSOR
Não, não, vocês sabem que não. (E irônico) Sei que vocês aguardaram ansiosamente por este momento durante a semana toda, não fizeram mais nada que não fosse pensar na história, inclusive pesquisaram na internet sobre ela e, logicamente, não encontraram nada. Estou certo? Os alunos se entreolham e alguns riem. Ninguém responde.


PROFESSOR
Como vimos, toda a narrativa tem o seguinte esquema: situação inicial, nó, conflitos, clímax e situação final. Sem isso tudo, a história não tem graça, não chama a atenção de ninguém. Ouçam, como exemplo, então, a "História da pedra". (Com voz de narrador.) Era uma vez uma pedra. Ela vivia na encosta de um morro, parada, quieta, fazendo seu papel de pedra, que é ficar parada, imóvel, dura, áspera. Passaram-se os anos e lá estava ela, parada, quieta, imóvel, dura, áspera. E durante anos, ela permaneceu no mesmo lugar, fazendo seu papel de pedra, que é ficar parada, imóvel, dura...


ALUNO II
Que história mais sem graça, fessor! Parece uma novela da Record.


A turma e ri, alguns acenam com a cabeça, concordando.


PROFESSOR
O que falta então, alunos?


ALUNO I
Falta ação, sor!


PROFESSOR
É isso mesmo. Vamos, portanto, para outra versão da história. Segurem-se nas cadeiras. Lá vai. Há um momento de silêncio. O professor inicia a nova história.


PROFESSOR
Era uma vez uma pedra. Ela vivia na encosta de um morro, parada, quieta, fazendo seu papel de pedra, que é ficar parada, imóvel, dura, áspera. Passaram-se os anos e lá estava ela, parada, quieta, imóvel, dura, áspera. Até quem em uma tarde de primavera, uma forte tempestade assolou a região. No segundo dia de chuva, quando começou estiar, a terra que sustentava a pedra começou a ceder. Aos poucos, a pedra foi rolando ladeira abaixo, como uma bola de futebol em um campo de várzea. (A partir de agora a voz vai adquirindo velocidade.) Foi rolando, rolando, rolando, cada vez mais rápido, derrubando arbustos e amassando flores. Logo adiante um coelhinho -(com voz afeminada) ó, um coelhinho, que amor! - saltitava comemorando o fim da chuva e a pedra passou por cima dele, esmagando-o, deixando apenas um rastro de sangue em contraste com os pelos antes branquinhos, e a pedra foi continuando o seu caminho, sem encontrar obstáculos que pudesse detê-la, derrubando o que havia pela frente, olha lá, um viadinho - (com voz afeminada) ó que lindo! saltitante, alegre, feliz - coitado, foi esmagado, foi sangue, perna, miolos, chifre pra tudo quanto era lado, e a pedra seguia seu caminho diabólico, quantas formigas não deveria ter matado pelo caminho?, meu deus!, e rolou mais rápido, mais rápido, se aproximou de uma pequeno vilarejo, crianças saíam às ruas para aproveitar o sol que surgia depois da tempestade, não perceberam a enorme bola assassina que se aproximava e matava a primeira criança, sangue, pernas, braços decepados, cabeça esmagada, mais outra criança e outra, agora um gordinho de óculos, esse foi mais difícil, mas também foi esmagado, eram pernas, braços, cabeça, óculos voando pelos ares e muito, muito sangue, lá adiante um casal de velhinhos atravessava a até aquele momento pacata ruazinha, e foram também vítimas da perversa bola de pedra, que não teve penados simpáticos velhinhos e os derrubou, e os esmagou, e arrancou seus óculos, suas bengalas, suas dentaduras que voaram indo de encontro a uma mulher que assistia a tudo e disse "ai, que nojo!", e a pedra continuou, mais rápido, mais rápido até que (agora a narrativa fica mais pausada), mais à frente, havia uma pequena casinha. Dentro, um m berço.
Dentro do berço, um bebê recém-nascido, dormindo tranquilamente. A pedra foi se aproximando, se aproximando, tocou na parede, derrubou-a, atingiu o berço, destruindo-o e passando por cima da inocente criancinha, que havia recém-feito seu cocozinho. A pedra ainda derrubou o resto do casebre e só parou com a matança quando encontrou uma enorme árvore que não conseguiu derrubar. Às suas costas - se é que uma pedra redonda tem costas - um rastro de destruição, sangue, cocô de criança, cabeças esmagadas, membros decepados, corpos esmagados, óculos quebrados, bengalas quebradas, dentaduras quebradas,(com voz afeminada) viadinho esmagado, (idem) coelhinho, coitado, arregaçado. E chegamos ao fim desta triste história.


Olhos espantados e um silêncio, interrompido instantes depois pelo aplauso e gritos de um dos alunos:


ALUNO II
ÊÊÊ! Sangue, hu hu, yeah! Miolos! Que massa, sor! Que massa! Mais um! Mais um! Hu hu!



FIM

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …