Avançar para o conteúdo principal

Diário crônico XXVII – Projeto Nocilla, de Agustín Fernández Mallo



Costumo colocar pedaços de papel marcando as páginas onde sublinho ou faço anotações nos livros que leio, quando faltam os coloridos post-its. Isso denota para mim se o livro é bom ou se pelo menos me arrancou uma porção de reflexões durante a leitura. Se estou relendo, a quantidade de papéis dobra, como aconteceu há pouco na releitura do “romance” Nocilla dream, do escritor espanhol Agustín Fernández Mallo.
Publicado por estas bandas pela Companhia das Letras, com tradução de Joana Angélica d’Ávila Melo, inaugura uma trilogia batizada com o nome do creme de chocolate popular na Espanha, que corresponde à Nutella que temos por aqui. Dos outros dois volumes, a Companhia das Letras publicou também o segundo, Nocilla experience, e acredito que deva estar preparando o lançamento do terceiro, Nocilla Lab.
Coloquei a palavra romance entre aspas porque, a bem da verdade, a obra não é um narrativa longa que possa ser classificada como tal. Composta por fragmentos diversos e não constituindo um enredo, apenas alguns elementos se repetem durante a história, por exemplo, um álamo à beira de uma estrada americana coberto por pares de tênis e sapatos. Alguns personagens passam pelo local e dão sua contribuição jogando seus calçados. É o que dá unidade ao texto. E é a passagem de um personagem a outro, de um lugar a outro, de uma situação a outra, em capítulos curtos, que compõe a história ou as histórias.
Há também citações de outros autores que contribuem de certa forma para o entendimento da narrativa, levando o romance a ser comparado, pelo menos devido ao estilo, a O jogo da amarelinha, do Julio Cortázar. Por exemplo, um estudo de Daniel Arijon sobre os planos sequência do filme Os pássaros, do Hitchcock, na cena em que as aves vão chegando aos poucos ao pátio da escola, no meu ponto de vista explica a estrutura do romance Nocilla dream. As cenas cortam ora para o plano geral, mostrando os pássaros pousando nos brinquedos do playground, ora para o plano mais próximo da personagem Mélanie Daniel (coincidentemente, enquanto escrevo, um pássaro muito bonito, acho que um pica-pau, pousou sobre o meu carro na frente de casa. Pelo menos foi somente um). É o que faz Fernández Mallo na sua ficção ao ampliar e depois diminuir o foco da narrativa, partindo ora para a coletividade ora para os indivíduos.
Mais adiante farei a leitura dos outros volumes do projeto e seguirei escrevendo sobre cada um dos livros, bem como sobre o autor, que além de escritor é físico, assim como o argentino Ernesto Sabato.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…