Avançar para o conteúdo principal

Rubem, “o velho que acordou menino”, morreu menino




Sou obcecado pelo suicídio. Não penso em cometer nenhum atentado a minha própria vida, que fique bem claro, mas me interessa estudar esse ato, entendê-lo, principalmente quando aparece na literatura ou quando algum escritor o comete. Pensei no tema quando fiquei sabendo da morte do educador, cronista, médico de almas e professor de espantos Rubem Alves. Sei, caro leitor, sei que ele não se matou. Bem pelo contrário. Ele amava a vida. Por isso também escreveu sobre a morte voluntária.

Em uma crônica presente no volume Teologia do cotidiano, Rubem Alves, inquieto com a notícia de crianças entre 5 e 14 anos que se atiraram das sacadas de seus apartamentos em Hong Kong, tentou entender o motivos que as fizeram escolher o suicídio. Conclui o texto afirmando que “se lhes tivesse sido dado uma chance de viver é possível que se tivessem transformado em poetas... O seu último gesto, na verdade, foi um poema sem palavras. Lançaram-se no vazio, quiseram transformar-se em pássaros...”

Ao escritor foi dada a chance de viver durante 80 anos, tendo sido pastor presbiteriano, teólogo, psicanalista, professor, até que decidiu ser apenas poeta, não dos que escrevem poemas, mas dos que criam crônicas, histórias para crianças, textos sobre a arte de ensinar. Transformou-se em pássaro lançando sementes por onde passava e aonde seus livros chegavam.

Tive, tenho, uma relação de amor e ódio com o Rubem Alves. Já critiquei em outros momentos o que ele escrevia sobre educação, talvez porque, sendo ele um provocador, me fez repensar várias ideias conservadoras que eu tinha sobre ensinar. Sabia, porém, que suas maluquices eram impossíveis de pôr em prática. Eram utópicas. Pois eram essas utopias que me fizeram ser professor. Gostaria de ser um professor como ele quando me formei na universidade. O dia a dia da sala de aula, no entanto, acabou me reformando. Se o leio de novo, tento me deformar.  A realidade, porém, me põe ao chão mais uma vez.

Por isso sinto que me suicido toda vez que tento ser um professor de espanto e não consigo. Volto para a gaiola, onde é mais confortável, porém busco de novo a liberdade. E é sempre a voz do mestre que me vem à mente: “Ensinar é um exercício de imortalidade. De alguma forma continuamos a viver naqueles cujos olhos aprenderam a ver o mundo pela magia da nossa palavra. O professor, assim, não morre jamais...” 
Rubem, “o velho que acordou menino”, morreu menino. Suas palavras, espero, não deixarão que cometa suicídio o menino que há dentro de mim.

Comentários

charlles campos disse…
Belo texto! Só acho que talvez tenha querido dizer morte 'voluntária', no fim do primeiro parágrafo.
Cassionei Petry disse…
Obrigado, Charlles, corrigi.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …