Avançar para o conteúdo principal

A morte do leitor


Esses dias o escritor Gustavo Melo Czekster andou escrevendo um texto sobre o livro do Daniel Pennac que eu ia comentar e acabei esquecendo. Há pouco, uma postagem no Facebook me reavivou a memória. Sou dos poucos, e o Gustavo é um deles, que não veem com bons olhos os direitos do leitor escritos pelo Daniel Pennac. É um desserviço (não gosto muito dessa expressão, mas é a que me vem à mente no momento) à literatura.

Devido a uma preguiça macunaímica, me apoio em Pedro Eiras, no seu “Substâncias perigosas”, que já comentei por aqui. Ele escreve, assim como o Gustavo, que “o leitor não tem direitos nenhuns. A sua única soberania consiste em obedecer. E não é pouco. Não pode abandonar o livro, nem saltar páginas. A leitura é monacal: inventa um claustro, regras, votos. Exige ao leitor que morra para o mundo, que se emparede entre as páginas.”

E continua: “Se fizer com o texto o que me apetecer, limito-me a cumprir o meu desejo. Não leio, só existo tal como eu sou. Mas ler deixar de existir.”

“Sob o pretexto de libertar o leitor, Daniel Pennac, destrói-o, educando terroristas da leitura que vão apagando as descrições em Eça, saltando as digressões em Musil, simplificando o vocabulário em Aquilino, “corrigindo” a pontuação em Saramago. Pelo contrário, acredito que o texto pode quase tudo, o leitor quase nada. Ler é obedecer. Se Daniel Pennac mata o leitor, é porque, ao dar-lhe todas as liberdades, o condena ao tédio. Apenas vive o texto que nos contesta.”

“Aonde quero chegar? Aqui: se soubermos ler, sabemos que a literatura pode tudo sobre nós. Incluindo matar-nos. Devemos tornar-nos dignos da ameaça”, conclui o escritor português.

É comum hoje, com a pretensão de nivelar por baixo a literatura, vê-la apenas como mais uma fonte de entretenimento semelhante a outras como o cinema, a música. Para tanto, tornou-se moda criticar aqueles que cultivam algo mais sofisticado, taxando-os de pedantes, arrogantes, chatos, destruidores de leitores. Em seu artigo na Folha de São Paulo de hoje, Michel Laub chama isso de “populismo anti-intelectual”. Mas assim como acontece com o cinema e com a música, há uma literatura mais elaborada, um trabalho acurado com a linguagem e com referências culturais as mais diversas, que fogem desse padrão de entretenimento. Não se pode destruí-la para dar lugar a outra mais simples, que até encanta, conquista leitores e blá, blá, blá, porém não exige muito de quem lê, não o desafia, mas sim o acomoda.

Julio Cortázar escreve no conto “Continuidad de los parques”, publicado no volume “Final del juego", que andei lendo com meus alunos, a história de um leitor sentado em uma poltrona de veludo verde e de costas para a porta, que lê um romance desses de best-seller, em que uma mulher planeja com seu amante a morte do marido. Quando o provável assassino se aproxima do provável assassinado, vemos que este também está sentado em uma poltrona de veludo verde e de costas para a porta, lendo um romance, provavelmente desses de best-seller, que uma mulher planeja...

É a morte do leitor ou eterno retorno do que nunca terminou?

Comentários

charlles campos disse…
Sem reparos. Concordo absolutamente com cada palavra sua. Apenas uma coisa (isso é um reparo será, e me desminto?): esses que se dizem leitores, que pulam e resumem, nunca o foram; esses sempre existiram e sempre existirá, mas tem vida curta: por alguma razão, ou por não se verem mais obrigados, ou por perceberem que a vitrine não é o que elas pensavam, mais cedo ou mais tarde abandonam por completo a leitura. Nós, os leitores inveterados, os leitores doentes e subordinados aos livros, sempre existimos e existiremos. Por isso, é uma tolice falar em morte do leitor. O leitor sempre existirá. Talvez seja um número perpétuo, homeostásico, uma constância universal.
Cassionei Petry disse…
A morte do leitor pode ser a do leitor passivo. Pelo menos no conto do Cortázar.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…