Avançar para o conteúdo principal

O homem da garagem de marfim (ou Me, myself & I)

Gostaria de ter disciplina para a leitura diária, porém sou um indisciplinado por natureza. Estabelecer um planejamento do que ler, partindo de determinados autores e seguir uma ordem cronológica é impossível. No meio do caminho vão aparecendo outros livros que furam a fila e as obras daquele autor ficam para trás. Há muita coisa para ler. Quando penso nisso fico com vergonha de ter publicado dois livros. Já não há escritores e publicações suficientes?
Mas aí paro, penso e concluo: eu tenho algo a dizer. Não li durante toda a minha vida (ou seja, ainda li muito pouco) para ser apenas leitor. Li para ser escritor também. E está aí uma coisa que nunca disse: eu sou bom no que faço. Chega de bancar uma de humilde, até porque, mesmo não querendo me enaltecer, já fui chamado de arrogante. Como escrevi num aforismo no meu blog, umas de minhas palavras despedaçadas: arrogo a mim o direito de ser arrogante.
A questão é simples. O cara escreve, escreve, depois de ter lido muito, mas muito mesmo. Aí tenta publicar pelo sistema tradicional: editora que banca a obra, divulga, distribui. Por motivos óbvios, ou nem tão óbvios, seu original fica esquecido em algum arquivo ou vai direto para a lixeira (física ou no computador) mais próxima. Então o escritor parte para a parceria, que é um eufemismo para a auto publicação. Faz uma tiragem pequena, vende algumas dezenas para conhecidos, quem sabe um ou outro exemplar sob encomenda e fica por isso mesmo. O livro não está em nenhuma livraria física, não chega às mãos de nenhum crítico nem da imprensa, a pequena editora não te divulga nem no próprio facebook dela (mas divulga notícias de escritores da mídia), quase ninguém sabe que você publicou um livro e sua dívida no cartão de crédito usado para bancar a obra aumenta.
E não estou aqui me lamentando por isso. Essa foi uma escolha, e escolher é perder, como disse o filho do Jô Soares, numa frase que reproduzi em outra crônica. Esse papo meio enrolado é só pra dizer que, inspirado talvez pelo Marcelo Mirisola (que também inspirou o título desta crônica), não vou mais ficar me fazendo de tolinho, ingênuo, achando “que não sou nada, nunca serei nada, não posso querer ser nada” (Álvaro de Campos/Fernando Pessoa), pois a única coisa boa que sei fazer é escrever e o faço bem. Não porque algum leitor me disse isso, mas porque eu sei, assim como sei quando escrevo porcarias, e mesmo essas porcarias ainda assim podem ser relevantes pra alguém, mesmo que esse alguém seja eu mesmo, na minha garagem de marfim onde estou agora, rodeado por livros, alguns não tão bons como os meus. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …