Avançar para o conteúdo principal

Bauman foi mais esperto (III)


De uma leitura recente.
O título, “A coleira no pescoço”, relacionado à capa é enganoso. Quem está sendo preso pela coleira não é o cachorro, mas sim o leitor. Desde o primeiro conto o leitor é conduzido ora docemente ora de maneira mais ríspida pelas mãos dos narradores desses deliciosos contos de Menalton Braff.

O melhor conto é “Um tarde de domingo (tragédia em três episódios)”. A história discute um caso de abuso de um padrasto contra sua enteada e a injustiça da mãe ao acusá-la de provocá-lo, causando a tragédia do subtítulo. É narrada sob três pontos de vista, cada um deles a ponta do vértice desse triângulo familiar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

"Cacos e outros pedaços" no Caderno de Sábado do Correio do Povo

O lançamento do meu livro na semana passada teve divulgação no Caderno de Sábado do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre.