Bauman foi mais esperto (III)


De uma leitura recente.
O título, “A coleira no pescoço”, relacionado à capa é enganoso. Quem está sendo preso pela coleira não é o cachorro, mas sim o leitor. Desde o primeiro conto o leitor é conduzido ora docemente ora de maneira mais ríspida pelas mãos dos narradores desses deliciosos contos de Menalton Braff.

O melhor conto é “Um tarde de domingo (tragédia em três episódios)”. A história discute um caso de abuso de um padrasto contra sua enteada e a injustiça da mãe ao acusá-la de provocá-lo, causando a tragédia do subtítulo. É narrada sob três pontos de vista, cada um deles a ponta do vértice desse triângulo familiar.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Uma resenha que não aconteceu