Avançar para o conteúdo principal

Sérgio Sant'Anna no Traçando Livros de hoje


Da literatura como arte

Sérgio Sant’Anna já deu as caras por aqui quando do lançamento de O livro de Praga. É um dos escritores prediletos do cardápio desta traça. Consegue, como poucos, equilibrar a experimentação narrativa com histórias bem contadas, aliar a arte mais sofisticada com temas populares. Os 19 contos (ou narrativas, como ele prefere chamar) de seu mais recente livro, O homem-mulher (Companhia das Letras, 183 páginas), coroam a regularidade de sua obra, sem altos e baixos como acontece com outros escritores que surgiram, como ele, nas décadas de 60 e 70.
O livro inicia e termina com a narrativa que dá título à obra. Na primeira parte, o conto é curto, narrando o encontro do ator Fred Wilson (também chamado de Zezé) com uma jovem durante o carnaval em Belém do Pará. Ele gosta de se vestir de mulher, apesar de ser heterossexual (se travestir não era veadagem, mas incorporar a mulher em sua masculinidade”). Depois de fazerem sexo num cemitério, os dois se despedem e nunca mais se reencontram. A parte 2 do conto encerra o livro, reapresentando o mesmo episódio, com pequenas variações, dando continuidade em mais páginas com as peripécias de um grupo de teatro experimental criado pelo crossdresser no Rio de Janeiro.
Esse erotismo em diálogo com as artes é uma constante na obra. A dança de Pina Bausch que encanta um torcedor de futebol, a estátua de Buda sendo seduzido por uma bela jovem (que ilustra a capa do livro). Em “Lencinhos”, uma jovem borda lenços com motivos eróticos. Em outro conto, “O rigor formal”, a esposa de um escritor famoso faz sexo oral em um estudante de letras na biblioteca do marido e relata tudo em um e-mail para ser enviado à imprensa cultural. Em “Madonna”, o ladrão de quadros se sente seduzido pelos seios da pintura de Edward Munch: “Enfim, os mistérios gozosos da parte superior de seu corpo oferecido a homens de sensibilidade. Oferecido a mim.” A arte pictórica erótica está também presente em “Este quadro”.
Em alguns contos, Sant’Anna reflete sobre a arte do escritor. É também um constante em sua obra. “O conto maldito e o conto benfazejo”, na verdade um pequeno ensaio, discute os temas de um conto. Deve ser mais duro, violento, “dos crimes hediondos como a sevícia ou a morte de mulheres e crianças, que preferíamos não escrever, como se o fazendo déssemos realmente à luz o monstro e seus atos”? Ou mais terno, em que “todas as possíveis desavenças seriam esquecidas, assim como toda a angústia”?
Sérgio Santa’Anna representa com maestria o conceito que tenho de literatura. Antes de mais nada, literatura é a arte da palavra. É a elaboração artística que tem como instrumentos as letras, palavras e frases que, dispostas de certa forma, provocam um efeito estético no leitor. A história é um complemento, importante sem dúvida. Sem esse trabalho, porém, torna-se apenas um mero exercício de entretenimento. Fazer literatura não é apenas contar uma boa história. Sérgio Sant’Anna sabe disso e pratica muito bem essa arte.

 Cassionei Niches Petry é professor e escritor. Autor de Arranhões e outras feridas (Editora Multifoco) e Os óculos de Paula (Editora Autoral). Escreve regularmente para o Mix e mantém um blog, cassionei.blogspot.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …