Avançar para o conteúdo principal

Leituras e releituras que fiz em 2016

O mundo segundo Garp, John Irving
As bacantes, Eurípedes
Psicose, Robert Bloch
Nem todo canário é belga, Flavio Moreira da Costa
Anotações durante o incêndio, Cintia Moscovich
Contarlo todo, Jeremías Gamboa
Édipo Rei, Sófocles
Jeito de matar lagartas, Antonio Carlos Viana
Todos os poemas, Paul Auster
Inventário do Ir-remediável, Caio Fernando Abreu
Noites brancas, Dostoievski
Os sete contra Tebas, Ésquilo
O primeiro da fila, Henrique Rodrigues
As fenícias, Eurípedes
Un sueño realizado y otros cuentos, Juan Carlos Onetti
Édipo em Colono, Sófocles
Logicomix Uma Jornada Épica em Busca da Verdade (Graphic Novel), Apostolos Doxiadis
Figuraciones Mías - Sobre El Gozo De Leer Y El Riesgo De Pensar, Fernando Savater
Antígona, Sófocles
El pozo, Juan Carlos Onetti
O legado de Humboldt, Saul Bellow
O evangelista, Manoel Herzog
Quem pode julgar a primeira pedra?, Gustavo Bernardo Krause
Borges vai ao cinema com Maria Kodama, Escobar Nogueira
Melhores crônicas, José Castello
Uma menina está perdida no século à procura do pai, Gonçalo M. Tavares
As suplicantes, Eurípedes
A primeira mulher, Miguel Sanches Neto
Oto e Isac, Rudinei Kopp
A literatura na poltrona, José Castello
Diarios de Emilio Renzi: los años de formación, Ricardo Piglia
Quase memória, Carlos Heitor Cony
A grande fome, John Fante
Um estudo em vermelho, Conan Doyle
Mesmo sem dinheiro comprei um esqueite novo, Paulo Scott
Silogismos da amargura, Emil Cioran
O problema do realismo de Machado de Assis, Gustavo Bernardo Krause
Corpos divinos, Guillermo Cabrera Infante
A cartomante e outros contos, Machado de Assis
As feridas de um leitor, José Castello
Contra um mundo melhor, Luiz Felipe Pondé
Lições de mestres, George Steiner
The sunset limited, Cormarc McCarthy
Malditas fronteiras, João Batista Melo
Prosas apátridas, Julio Ramón Ribeyro
Finalmente hoje, Marcio Renato Dos Santos
A dona da casa (ou A senhoria), Dostoievski
O azul do filho morto, Marcelo Mirisola
Quem matou Juliana Klein?, Marcos Peres
Elogio de la lectura y la ficción, Mario Vargas Llosa
A dama de espadas, Puchkin
A poeira da glória, Martim Vasques Cunha
Maleita, Lúcio Cardoso
A boca do inferno, Otto Lara Resende
La vida es sueño, Calderón de la Barca
O gênio do crime, João Carlos Marinho
Héracles, Eurípedes
Estilhaços, Marcelo Backes
Salgueiro, Lúcio Cardoso
Caetés, Graciliano Ramos
O lado imóvel do tempo, Matheus Arcaro
Alceste, Eurípides
A luz no subsolo, Lúcio Cardoso
São Bernardo, Graciliano Ramos
A Bíblia do Che, Miguel Sanches Neto
Cuentos de fantasmas, Pio Baroja
O país do carnaval, Jorge Amado
Primeiro andar, Mário de Andrade
O livro das semelhanças, Ana Martins Marques
Vidas Sombrías, Pio Baroja
Brás, Bexiga e Barra Funda, António de Alcântara Machado
As traquínias, Sófocles
Winesburg, Ohio, Sherwood Anderson
O som e a fúria, William Faulkner
Duas Narrativas Fantásticas, Dostoievski
O escritor proibido, Orígenes Lessa
Parafilias, Alexandre Marques Rodrigues
Os 10 mandamentos (+1), Luiz Felipe Pondé
Laranja da China, Antônio de Alcântara Machado
Cada amanhecer me dá um soco, Andrei Ribas
A viagem, Virgínia Woolf
O conto zero e outras histórias, Sérgio Andrade Sant'Anna
Medeia, Eurípides
Papel mojado, Juan José Millás
Manifesto sem eira nem beira, Barata Cichetto
Garotos incríveis, Michael Chabon
Filosofia para corajosos, Luiz Felipe Pondé
A trágica história do Doutor Fausto, Christopher Marlowe
Naturaleza de la novela, Luis Goytisolo
Os piores dias da minha vida foram todos, Evandro Affonso Ferreira
Breves entrevistas com homens hediondos, David Foster Wallace
A cidade que o diabo esqueceu, Orígenes Lessa
Só faltou o título, Reginaldo Pujol Filho
Os contos de Belazarte, Mário de Andrade
Angústia, Graciliano Ramos
Alçapão, André Ladeia
Uma história da leitura, Alberto Manguel
Galinha cega, João Alphonsus
Mutações da literatura no século XXI, Leyla Perrone-Moisés
Así empieza lo malo, Javier Marías
Beatriz, Cristovão Tezza
Velórios, Rodrigo M. F. de Andrade
Brejo das almas, Carlos Drummond de Andrade
Fausto I – Goethe
O ladrão honesto e outros contos, Dostoiévski
Outubro, Nei Duclós
Cantos profanos, Evando Nascimento
El jardín de las delicias, Marco Denevi
Mãos vazias, Lúcio Cardoso
Visión del ahogado, Juan José Millás
Histórias de robôs, vol. 1 – Isaac Asimov (org.)
Os Heráclidas, Eurípides
Cuentos completos 1 – Philip K. Dick
A cabra vadia, Nelson Rodrigues
Cuca fundida, Woody Allen
Diálogo entre um padre e um moribundo e outras diatribes e blasfêmias, Marquês de Sade
Bartleby, o escrevente: Uma história de Wall Street, Herman Melville
Passa-três, Orígenes Lessa
O desconhecido, Lúcio Cardoso
A arte do romance, Milan Kundera
Socráticas, José Paulo Paes
Las otras puertas, Abelardo Castillo
O inverno e depois, Luiz Antonio de Assis Brasil
Rebentar, Rafael Gallo


Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …