Avançar para o conteúdo principal

Você está demitido!


Já fui demitido duas vezes. Poucas, é verdade, mas foi porque tive poucos empregos na iniciativa privada. Da primeira vez, fui chutado de um motel, onde trabalhei por mais de 5 anos como auxiliar de escritório com múltiplas funções. Fiquei p... da vida, principalmente pelo motivo alegado. O tempo passou e me conformei. Logo depois fui trabalhar numa empresa de remessas expressas e dessa vez fui eu que pedi para sair, pois havia conseguido um contrato como professor no ensino público. Fiquei quase 10 anos lecionando com contrato temporário e fui nomeado, depois de passar em concurso, há apenas 3 anos.
Nesse meio tempo, também consegui emprego em uma escola particular. Depois de 2 anos, no entanto, fui chutado, e bem chutado, me senti humilhado, inclusive. Vida que segue. Uma coisa que aprendi é que o empregador tem o direito de demitir quem ele bem entender e que não somos insubstituíveis. Por isso me incomoda quando vejo, principalmente na imprensa, uma gritaria quando profissionais são demitidos. Às vezes, a crítica é só por corporativismo, outras vezes por questão ideológica. Questiono, por exemplo, por que a rádio CBN não pode demitir seus jornalistas, se assim achar por bem? Por que os sindicatos reclamam? E por que a TV Brasil não pode escolher não renovar o contrato de uma apresentadora como Leda Nagle? Só porque o seu programa tinha mais de 20 anos no ar? Só porque outro partido comanda a estatal? O que dizer então da maioria da população que trabalha apenas três meses de um contrato? Quem grita por ela?
Perder o emprego é ruim para todo mundo. Dá uma sensação de fracasso, a gente fica sem saber o que fazer, bate uma angústia danada. São planos de vida que escoam pelo bueiro, uma indecisão sobre o que se vai fazer para pagar as contas, comprar comida e livros, sustentar ou colaborar com o sustento da família. Entretanto, apesar de estar relativamente tranquilo na minha posição, sinto que é uma injustiça com o contribuinte que eu tenha estabilidade profissional por conta de um concurso público. O contribuinte é meu chefe, no entanto ele pode ser demitido a qualquer momento e eu não. Por conseguinte, há funcionários que fazem corpo mole, não trabalham a contento porque sabem que não vão para o olho da rua. Já passei por isso depois da morte do meu pai por conta de um acidente de trânsito. Primeiro, o policial civil que não registrou devidamente a ocorrência, por mais que eu tenha dito que não havia sido feito o BO da Brigada Militar. Depois, os médicos do IML, que não faziam plantão na madrugada e somente de manhã liberaram o corpo para a funerária, deixando a família angustiada.

Entendia antes a estabilidade do funcionário público como decorrência da política, já que servia para evitar que fossem demitidos todos aqueles que não concordassem com o partido que tivesse o poder estatal. Se penso diferente, é porque mesmo assim as pressões políticas continuam, a possibilidade de fazer greves diminui por conta de leis que coíbem a prática, e me sinto culpado por ter regalias que os demais trabalhadores não têm. E ser demitido faz parte do jogo. Não somos donos de cargos. Outros, mais ou menos competentes, podem tomar nosso lugar, por que não? É a roda.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…