Avançar para o conteúdo principal

Anotando um sonho que tive


Tenho sérias dificuldades de guardar sonhos e, quando lembro, não os anoto e acabo esquecendo de novo. Como estou lendo “O homem e seus símbolos”, livro organizado por Carl Gustav Jung, pensei em registrar alguns sonhos, até porque o que tive na última noite achei impressionante.

Sonhei que estava dentro de uma igreja com um altar dedicado a uma “santa” da cidade. Alguém me conta a história dela, que teria ficado presa em uma sala. No sonho, presencio o que acontece com ela. Num primeiro momento, a mulher está em uma sala repleta de cobras, tentando escapar. Minha sensação é de angústia, como se estivesse junto com ela. Quando consegue escapar, entra em uma sala onde há outros animais, a memória me falha agora. Depois de escapar, entra em outra sala cheia de outros animais. Ela seria considerada uma santa, então, por ter passado por essas provações.

Diz Jung que esses dicionários de sonhos não valem nada, pois a simbologia colocada neles não são as mesmas para todas as pessoas. Os símbolos presentes no sonho podem ser avaliados pelo psicanalista, mas ele vai perguntar coisas sobre a vida das pessoas para daí sim ter um posicionamento.

Voltarei ainda ao assunto.

Comentários

Mirella disse…
*Esperando pela continuação do post*
Esqueço muito de meus sonhos, também, mas alguns deles, que são impossíveis de serem esquecidos, são dignos de livros de horror e aventuras ao Egito Antigo. Fantástico!
Leandro Haupt disse…
._.' Uma grande parte dos meus sonhos são pevertidos ou trágicos.
Ja aconteceu comigo de sonhar com um lugar desconhecido e no outro dia passar por esse lugar O.O

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …