Avançar para o conteúdo principal

Zoom e Clichês

Início das aulas com algumas novidades. Em primeiro lugar, foi incorporado o ensino da Língua Espanhola na minha escola, o que significa que ganhei um novo desafio, afinal de contas não havia trabalhado com a disciplina ainda.

Outra novidade são as “Lições do Rio Grande”, impostas pelo governo do estado. O lado positivo é que todas as mudanças nos paradigmas de ensino que eu aprendi ainda no século passado estão sendo colocados em prática agora. Ler e escrever em diferentes gêneros e a gramática em função do texto, e não a decoreba da nomenclatura gramatical, estão ganhando o espaço necessário.

No 1º ano do Ensino Médio estou trabalhando com o gênero crônica e no material há um trecho de uma obra do artista gráfico Istvan Banyai, intitulada Zoom, em que se faz referência sobra a aproximação dos fatos do cotidiano que os cronistas fazem. Analisamos em grupo os desenhos e ficamos imaginando o que havia na capa da revista que um menino estava segurando. Nesse vídeo, há uma reprodução do desenho. Ele começa pelo microcosmo e vai ao macrocosmo, ao contrário do que era mostrado no livro.



Nos 2º e 3º anos, há a proposta de trabalhar sobre o que é arte, partindo de um poema-montagem de Philadelpho Menezes, poeta brasileiro morto no ano 2000.

A obra, intitulada Clichetes, lembra a goma de mascar Adams, que vira goma de mascarar, cujo sabor de menta vira sabor mental, além de transformar a palavra chicletes e “clichetes”. Também a letra C estilizada lembra a foice e o martelo do comunismo. Há várias leituras possíveis, como os clichês que mascaram a realidade, os regimes comunistas que manipulam a mente das pessoas (ou isso seria um clichê difundido pela direita?), ou de como recebemos tudo mastigado pela sociedade de consumo, etc.

Enfim, essa é uma proposta de trabalho para o primeiro mês de aula. Vamos aguardar os resultados.

Comentários

Leandro Haupt disse…
º-º Gezuiz...
Tiraram aula de qual disciplina pra por Espanhol?

Eu tinha o livro "Zoom" quando eu tava lá pela 4ª série, adorava ficar olhando ele :P
Cassionei Petry disse…
Leandro, foi no 3ºano,tiraram uma de inglês, ficou uma hora de cada.
Jorcenita disse…
Cassionei, sempre levo o livro "Zoom" no começo do ano para meus alunos, a fim de questioná-los sobre a realidade, fatos históricos, verdades estabelecidas, etc. É sempre interessante e divertido...
Há, seu blog está cada vez melhor!Congratulations.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …