Avançar para o conteúdo principal

Março: mês da boa guerra

por Cassionei Niches Petry

Para muitas pessoas o ano inicia no mês de março. Os meses anteriores estão sempre relacionados às férias, mesmo que grande parte da população continue no batente. Em tempos passados, o mês era realmente o primeiro, por isso as palavras setembro, outubro, novembro e dezembro possuem os números sete, oito, nove e dez na sua formação. Além disso, no Hemisfério Norte é em março o início da primavera, estação que simboliza o renascer da vida.

O interessante disso tudo é que março tem esse nome em homenagem a Marte, deus da guerra na mitologia romana. Era a época ideal para o recomeço das atividades bélicas. A analogia entre o trabalho e a guerra se torna inevitável, afinal, depois de nos recuperarmos de uma guerra, outra se inicia, composta por várias batalhas.

Não é à toa que A arte da guerra, do chinês Sun Tzu, tenha se tornado um best-seller, principalmente quando o técnico Felipão, da seleção brasileira de futebol, disse ter se utilizado dos ensinamentos do livro para vencer a Copa do Mundo de 2002. O tratado, escrito no século IV a.C., tinha o objetivo de treinar estratégias e táticas de combate na guerra, porém, se transportado para contexto da boa guerra, que é o trabalho, pode ser um guia de como enfrentar nossas batalhas diárias.

Tirando a palavra “inimigo”, presente em todo o livro, podemos obter muitos ensinamentos para o nosso dia a dia. Por exemplo: "Aquele que conhece o inimigo e a si mesmo lutará cem batalhas sem perigo de derrota; para aquele que não conhece o inimigo, mas conhece a si mesmo, as chances para a vitória ou para a derrota serão iguais; aquele que não conhece nem o inimigo e nem a si próprio, será derrotado em todas as batalhas" O conhecer a si mesmo pode ter vários sentidos. Prefiro o lado filosófico da expressão, que nos remete ao Sócrates (o filósofo, não o jogador). Conhecer a si mesmo passa ao largo dos livros de auto-ajuda que pululam por aí (é auto-ajuda para quem os escreve e ganha muito dinheiro com isso). Conhecer a si mesmo é buscar o conhecimento que serve para você mesmo e não fórmulas prontas, mastigadas, que deram certo para uns, mas não significa que podem dar certo para você. Como disse Graham Bell: “Nunca ande pelo caminho traçado, pois você vai chegar somente aonde outros já chegaram”. Ou então Nietzsche, que termina o seu livro “Aurora” com um aforismo em que diz Por que esse voo perdido nessa direção, para o ponto onde até agora todos os sóis declinaram e se extinguiram?”.

Se queremos vencer a boa guerra, obtendo vitórias nos objetivos profissionais, temos que traçar nossas próprias estratégias. Ao invés do “faço o que eu digo”, proponho o “não faça o que eu digo e não faça o que eu faço”. Portanto, esqueçam o que escrevi.

***

Ouvindo Etudes, de Frédéric Chopin, interpretados por Maurizio Pollini. Em março se comemoram os 200 anos do compositor polonês.

Comentários

Robson Duarte disse…
Ótimo texto, keep rocking.
Vou seguir os conselhos...ou não.
Até. Vê se aparece lá no blog.
Jorcenita disse…
Não farei o que você dizer, nem farei o que você fizer, muito pelo contrário.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …