Avançar para o conteúdo principal

A cruz e suas interpretações

por Cassionei Niches Petry

Em época de semana santa, podemos lembrar como os símbolos, em determinados contextos, são interpretados de várias formas. Usaremos como exemplo a cruz, já que nessa sexta-feira é celebrada a crucificação de Jesus Cristo. Esse ato, do qual tomamos conhecimento apenas através da Bíblia (portanto sem nenhuma comprovação histórica), influencia até hoje nossa cultura, mesmo para quem não acredita que tenha ocorrido. A cruz passou a ser o símbolo de uma religião que se espalhou pelo mundo todo, por isso ninguém se sente constrangido ao usar uma corrente com esse objeto que lembra um instrumento de tortura no pescoço.

A cruz, se pendurada na parede de uma casa, representa que o lar é de uma família cristã, principalmente católica. No entanto, esse mesmo objeto, se estiver em uma repartição pública, pode ofender uma pessoa que tenha uma crença diferente e não vê o seu símbolo com o mesmo destaque (ou alguém já viu a Estrela de Davi nas paredes de uma escola estadual?). Já uma cruz em uma placa de trânsito de uma estrada avisa que há um cruzamento mais à frente. Uma cruz vermelha avisa que há um hospital próximo. Mas o que representa uma cruz de cabeça para baixo?

Nero, o imperador que ficou conhecido por incendiar a cidade de Roma em 64 d.C., costumava crucificar os cristãos de ponta cabeça. Isso foi visto como uma ofensa a Jesus e logo o imperador foi considerado o anti-Cristo. Pois nos anos 50, Gerald Holtom, designer e ex-combatente da II Guerra Mundial, criou um símbolo de luta para o desarmamento nuclear, juntando dois sinais das bandeiras usadas nos porta-aviões da Marinha: os braços do manobrista com as bandeiras estendidas para o chão, formando um V de cabeça para baixo, representam a letra N, de “nuclear”. Já um braço virado para cima e outro para baixo, formando uma linha vertical, representam a letra D, de “disarmament”. (Fonte: http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/magazine/7292252.stm) A junção dos dois formou aquilo que foi difundido mais tarde pelos hippies como o símbolo da paz. Em outro contexto, evangélicos denominaram que esse símbolo é a cruz de Nero, por lembrar uma cruz invertida e com os braços quebrados. Afirmam que representa a paz sem Cristo, sendo uma mensagem subliminar, provando que o demônio está começando a dominar o mundo.

Outro exemplo de cruz que pode causar falsas interpretações é a suástica. No imaginário do século XX, é inevitável sua relação com o nazismo. No entanto, a cruz gamada, com também é conhecida, é um símbolo usado por várias culturas antigas. Na Índia, por exemplo, ela é encontrada em templos do hinduísmo, podendo representar o sol, os 4 pontos cardeais ou ainda a evolução do Universo (as pontas voltadas para a direita) e a involução do Universo (as pontas direcionadas à esquerda), que são as duas formas de Brahma, o deus criador. Portanto, antes de sair acusando uma pessoa por ter uma tatuagem de uma suástica, se informe sobre o que o símbolo representa para ela. Repreendendo um aluno por estar desenhando a cruz gamada em seu caderno, ele me respondeu que não sabia o que significava, apenas achava bonita.

A interpretação que faço da cruz relaciona-se com as formas de como o ser humano vê o mundo. O traço horizontal representa os momentos em que analisamos os fatos de uma forma superficial. Já o traço vertical são os momentos em que nos aprofundamos sobre um assunto. Um conhecimento mais aprofundado sobre símbolos nos ajuda a não cometer injustiças e, principalmente, não ficar repetindo bobagens propagadas por pessoas superficiais.

Comentários

adoro cruzes
elas tem um quê que me atraem
acho todas bonitas

=*
Leandro Haupt disse…
Nunca tinha me perguntado o porque do símbolo dos hippies º-º

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …