Avançar para o conteúdo principal

As 4 formas de conhecimento

Relativity, M. C. Escher

Texto escrito a partir das anotações para minhas aulas de filosofia.

por Cassionei Niches Petry

Como podemos conhecer o mundo? Há apenas um jeito de entender as coisas que nos cercam? Ora, assim como o universo é complexo, as explicações para seu funcionamento também o são. Podemos agrupar as formas de conhecimento em 4, correndo o risco, claro, de reducionismo.

A primeira é o senso comum, aquele conhecimento simples, do dia a dia, e que percebemos apenas pelos nossos sentidos. Não preciso consultar nenhum livro ou fazer uma reflexão profunda para saber que está chovendo: basta ouvir o barulho dos pingos caindo no telhado, olhar pela janela ou, o que é mais prazeroso, sair para a rua e tomar um banho. Se quero caminhar, não preciso também ficar pensando “bem, preciso ir ali, então primeiro movo a perna direita pra frente. Agora, deixa eu ver... ah, sim, preciso mover a esquerda e...”. Se pensarmos no homem primitivo, ele vivia no senso comum, pois não precisava pensar sobre as coisas ao seu redor para viver. Simplesmente nascia, se alimentava, crescia, se reproduzia, envelhecia e morria. Não fazia mais nada, até porque tinha que ocupar boa parte do tempo buscando alimento, seja caçando e coletando, tendo que andar muito para isso, como os outros animais.

O homem, porém, na medida em que foi evoluindo, começou a cultivar a terra e domesticar os animais para alimento. Consequentemente, passou a ter mais tempo para outras atividades. Há ainda um fato importantíssimo que é a diminuição das mandíbulas e o crescimento da caixa craniana, possibilitando o aumento do tamanho do cérebro. É só analisar o crânio dos fósseis humanos para perceber essa evolução. Outra prova é o dente de siso, um dente inútil e que incomoda por não ter mais espaço para nascer. Ele foi importante quando o homem comia muita carne dura e necessitava de mais dentes. Como o homem modificou sua dieta e também descobriu maneiras de amaciar a carne, ele deixou de ter importância. O homem, agora, começa a usar mais o cérebro do que a boca. E se continuar essa evolução, terá no futuro o aspecto de como são conhecidos os ET’s, quase sem queixo e com um crânio enorme. (Não seriam os alienígenas homens do futuro nos visitando?)

A segunda forma de conhecimento acontece quando começamos a questionar a vida. Não basta mais viver por viver. Com tempo para pensar e intelecto desenvolvido, o homem passa a se espantar com o mundo a seu redor. Questiona “quem sou eu?”, “de onde venho?”, “para onde vou?”, “o que é essa coisa luminosa que cai do céu?”, etc. A primeiras respostas a essas perguntas são dadas a partir de histórias inventadas pelas pessoas mais velhas da tribo e envolvem relatos fabulosos, que não têm lógica de acordo com os parâmetros da realidade. Entramos no conhecimento mítico. Os mitos fornecem explicações que são aceitas a partir de crenças: “o mundo foi criado em 6 dias por um ser superior”, “quando morremos vamos para o reino de Hades”, “o raio é um castigo dos céus para a tribo”. O mito, através de uma linguagem simbólica, provoca o desenvolvimento das religiões e varia de acordo com as diferentes culturas. Se ele é considerado apenas como ficção, temos histórias que enriquecem o imaginário. No entanto, se levado ao pé da letra e como verdade absoluta, estaremos diante de um conhecimento que limita nossa capacidade de conhecimento e provoca conflitos entre as nações.

Imaginemos agora uma cidade onde há um porto e se faz uma intensa troca comercial. Ali se encontram pessoas de diferentes lugares do mundo, com culturas diferentes e, por conseguinte, mitos diferentes. Quando se reúnem para conversarem, acabam contando as histórias de seu povo e percebem que são alegorias distintas para representar, por exemplo, a criação do universo. Começam a questionar: “afinal, qual a história verdadeira?” Tem-se, então, a relativização dos mitos. A cidade de que estamos falando é Mileto, na Grécia, berço da terceira forma de conhecimento: a filosofia.

Para o homem que está cada vez mais evoluindo, as respostas dadas pelas mitologias não são mais satisfatórias. A relativização dos mitos e a afirmação de que essas histórias são absurdas sob o ponto de vista lógico abalam todas as crenças. Passa-se, então, a tentar encontrar as respostas a partir de elementos da natureza e não mais no sobrenatural. O centro do conhecimento passa a ser a razão e não a crença. O conhecimento filosófico é aquele que questiona e não aceita qualquer resposta. Faço sempre a analogia com a pesca, afinal de contas, o ponto de interrogação não lembra um anzol? Pois quando lançamos uma pergunta, esperamos pescar uma boa resposta e, como toda pescaria, é preciso paciência para pegar um bom peixe. Mas o pescador fica satisfeito caso fisgue um peixe enorme? Não, pois ele vai voltar à atividade sempre que possível. Assim é o filósofo, que obtém muitos conhecimentos, mas não se contenta e sempre sai em busca de novas respostas.

Na filosofia, portanto, não encontramos a verdade absoluta, mesmo sendo o objetivo de quem quer buscar o conhecimento. Ela apenas levanta dúvidas, evita o conformismo das ideias prontas e encontra várias respostas que explicam o mundo ao nosso redor. Mas faltam provas para esses saberes. Para provar algo, precisamos agir não só pensando, mas praticando, comprovando, experimentando, enfim, usando de instrumentos práticos para se chegar o mais próximo possível da verdade. Essa é função da quarta forma de conhecimento: a ciência.

O conhecimento científico se utiliza da experiência para responder as perguntas levantadas pelos mitos e pelos filósofos. Usa todos os instrumentos disponíveis pelas novas tecnologias para se aproximar o máximo possível da verdade. Pesquisas, experimentos, observações, busca de provas materiais, tudo é utilizado para tentar buscar respostas para entender o universo. Notem que usei o verbo tentar, pois nem mesmo a ciência encontra a verdade. Há sempre cientistas que contestam outros e é nesse ritmo que o mundo gira e não deixamos de conhecer cada vez mais. Portanto, ao contrário do que muitos pensam, a ciência não é dona da verdade. Se fosse, não precisaríamos mais de cientistas.

O problema é quando algumas pessoas se utilizam de seus conhecimentos para impor sua verdade pessoal. Religiosos, filósofos e cientistas radicais, que não aceitam o pensamento diferente do seu, acabam freando o desenvolvimento. Nesses momentos procuro uma quinta forma de conhecimento: a arte. Prefiro às vezes conhecer o mundo pelas mãos dos escritores, cineastas, músicos, pintores. Eles nos explicam sem explicar e nos fazem entender sem entender o que é essa criatura tão complicada chamada de ser humano.


Comentários

Anónimo disse…
hey! Prof. Cassionei, a desciclopédia da cidade foi atualizada. dá uma olhada lá

http://desciclo.pedia.ws/wiki/Santa_Cruz_do_Sul

e repassa esse link por aí pro pessoal ver o que achou!

valeu.
Mirella disse…
PUTA saudade dessa tua aula maravilhosa, hein!
Cassionei Petry disse…
Valeu, Mirella, saudade também dessa grande aluna.
Leandro Haupt disse…
Tive um Déjà vu enquanto lia o post :P
Cassionei Petry disse…
Pois é, Leandro, agora organizei o que antes tinha estado desorganizado. Mas em aula é melhor, pois vão surgindo novas ideias e os alunos contribuem também.
Robson Duarte disse…
Nossa(som de boca aberta). Muito bom o texto. Posso postar ele no meu blog, com os devidos direitos é claro?
Cassionei Petry disse…
Pode postar, Robson. Alguns alunos ou ex-alunos meus aí de V.A. que são leitores do teu blog vão lembrar dessas minhas aulas.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …