Avançar para o conteúdo principal

Danos morais ou “jeitinho brasileiro”?

Le viol, pintura de Rene Magritte


por Cassionei Niches Petry

O caso do bolão da Mega-Sena em Novo Hamburgo nos põe a refletir sobre duas palavrinhas muito faladas, mas pouco compreendidas: a moral e a ética. O grupo de pessoas que apostou sem apostar quer, além do dinheiro, indenização por danos morais. Os “apostadores” merecem esse outro prêmio? É ética sua reivindicação?

Para o senso comum, a moral está relacionada aos bons costumes. Se uma mulher anda com vestidinho muito curto, ela pode estar atentando contra a moral. Mas quem julga isso é uma determinada cultura ou valores individuais. Se ela andar pelas ruas de uma cidade grande, ninguém vai condená-la. Se ela estiver passeando em uma cidadezinha do interior que tiver uma população muito conservadora (ou em certas universidades brasileiras), as pessoas vão fazer o sinal da cruz e dizer: “mas que pouca vergonha!”.

Filosoficamente, a expressão está relacionada com a ética. Nesse caso, se discute o que pode ou não ser o correto dentro de determinado padrões éticos. A ética são os valores estabelecidos, enquanto a moral são os valores que podem ser modificados. No caso dos danos morais (e aqui escreve um desconhecedor da questão dentro do âmbito jurídico), a expressão se torna banalizada justamente por não haver um padrão de qual valor moral está sendo atingido. As pessoas, por conseqüência, entram com um processo contra outras por qualquer coisa, além, é claro, da possibilidade de lucrar com isso.

Todo esse imbróglio vem justamente do desejo de enriquecer sem esforço. Não é à toa que os golpistas sempre acham vítimas, pois elas querem ganhar dinheiro fácil. Jogar na Mega-Sena é uma das formas oficiais, dentro da lei, de ganhar esse dinheiro. O bolão, no entanto, é uma prática paralela, sem qualquer amparo legal. É mais uma ferramenta do “jeitinho brasileiro”. Se a pessoa faz esse tipo de jogo ela tem que saber disso, pois ela não recebe um documento oficial, assim como acontece no jogo do bicho. Ora, esse grupo de “apostadores” quer uma indenização moral sendo que elas próprias agiram de forma errada. Jogar não é antiético, até faz parte do instinto humano e, como escreveu o filósofo Nietzsche em O crepúsculo dos ídolos, “felicidade é sinônimo de instinto”. Jogar ilegalmente, porém, é sim antiético.

Ser ético é fazer o correto, o que está dentro da lei. Se a lotérica faz um procedimento sem amparo legal, ela tem que pagar por isso, bem como a Caixa Federal por ser conivente com o ato. Quanto aos “apostadores” (uso as aspas porque oficialmente não apostaram em nada), eles também são cúmplices, portanto, não poderiam sofrer um processo por danos morais por quem aposta dentro dos parâmetros da legalidade?

***

Ouvindo O crepúsculo dos deuses, ópera que fecha o ciclo O anel de Nibelungo, de Richard Wagner.

Comentários

Robson Duarte disse…
Três coisas:

1- Ótimo post que abre uma porta para horas de discussão.

2- Tirando o anti-semitismo Wagner é o cara.

3- Já é o décimo susto que tomo toda vez que entro no teu blog e a rádio "pula" nas minhas orelhas. Acho que vou exigir danos morais.

Abraço
Cassionei Petry disse…
Eu vou perguntar para o pessoal da rádio o que dá para fazer com que só toque se acionar o play.
Mirella disse…
Profº, você pode verificar isso no próprio código html da rádio. Deve haver algo escrito como "autoplay= yes". Modifique para "no".
Roberto C. Belli disse…
Gostei muito do seu post, Cassionei. A Caixa devia ser processada pelo Ministério Público por permitir a prática do "bolão" nas lotéricas. Quanto aos apostadores, eles podem exigir o que lhes é de direito. Mas na minha opinião, não deveriam conseguir nada, pois agiram fora da lei. Quanto à lotérica de Novo Hamburgo, foi uma infelicidade a funcionária ter esquecido de fazer as apostas. Não dá para condená-la. Ela é vítima inocente da permicividade ilegal da Caixa, assim como o o dono da Lotérica. Abraços.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …