Avançar para o conteúdo principal

Repostagem - Eva e Pandora (ou A boceta e a maçã)

Estou falando com os meus alunos de Filosofia sobre os mitos e, nas próximas aulas, vamos fazer uma viagem pela mitologia grega. Um dos mitos que comentei foi sobre a Caixa de Pandora. Segue um texto que escrevi no ano passado sobre o tema, já que muitos não o leram ainda.

Eva e Pandora (ou A boceta e a maçã)
por Cassionei N. Petry

É curiosa a semelhança entre dois mitos bastante difundidos, sendo que um deles é visto como verdade absoluta por muitas pessoas.

O primeiro mito é da antiguidade grega: a Caixa de Pandora. Ela teria sido a primeira mulher criada por Zeus como, vejam só, castigo para os homens, pois o titã Prometeu roubara o fogo do Olimpo. O deus mais poderoso do panteão grego a presenteou com uma caixa, porém, com a ordem de não abri-la. Logicamente, como toda mulher, que é muito curiosa, ela não respeitou a proibição. Como consequência, de dentro do recipiente saíram todos os males lá guardados. Ou seja, quem é a culpada pelas coisas ruins do mundo? A mulher. Mas isto, veja bem, é o mito que diz.

A outra história é mais conhecida, pois está na Bíblia Sangrada, digo, Sagrada, mais precisamente no Gênesis. Neste mito, Deus fez Adão e depois, para que ele não ficasse sozinho, criou, a partir da costela dele, uma mulher, a qual foi chamada Eva. Aos dois foi ordenado pelo criador que não comessem o fruto da árvore do conhecimento. Pois a mulher, agora provocada por uma cobra falante, vai lá e come o fruto. Como se não bastasse, oferece a Adão, que, como todo o homem obediente a mulher, também come. Visto que era um alimento desconhecido para eles, Adão acaba engolindo o caroço, resultando no chamado Pomo de Adão. O resultado dessa desobediência: o pecado entra no mundo. Mais uma vez, a mulher é a culpada.

O mais curioso são as simbologias por trás disso tudo. Basta procurarmos o significado da palavra “boceta” no dicionário para sabermos que ela significa uma caixinha oval, que aparece inclusive em muitos textos de Machado de Assis, e era utilizada para guardar rapé.

"Dizendo isto, despiu o paletó de alpaca, e vestiu o de casimira, mudou de um para outro a boceta de rapé, o lenço, a carteira..." (MACHADO DE ASSIS em O Empréstimo)


Essa palavra acabou, pela analogia com o seu formato, talvez, sendo sinônimo do órgão sexual feminino no Brasil. Em Portugal ela é ainda utilizada, tanto que o mito grego da primeira mulher lá é chamado de “Boceta de Pandora”. Inclusive é a tradução para o título do filme alemão Die Büchse der Pandora, de 1929, dirigido por Georg Wilhelm Pabst. Bem, se pensarmos que ela abriu a boceta...

Quanto ao mito bíblico, não há menção no Gênesis de que o fruto fosse uma maçã. Mas porque essa fruta acabou ganhando a fama, e aparecendo em várias pinturas que retratam a história? Bem, imaginemos uma maçã cortada ao meio. Ela lembra justamente a vagina de uma mulher com as pernas abertas. E se Eva deu a maçã para Adão comer...

Comentários

Mirella disse…
HAHAHA AAH, ESSA AULA!
Helena Jungblut disse…
hahaha
justo estes dias estavamos falando sobre o Mito de Pandora na aula do professor Norberto!
ótimas estas tuas comparações, especialmente ao trecho do Machado!

Espero que os alunos tenham gostado!

grande abraço!
Cassionei Petry disse…
Os alunos adoraram é óbvio, está aí a Mirella pra confirmar.
Helena, fala que você foi minha aluna pro Noberto. Ele foi até personagem de uma crônica minha, que está aqui no blog, é só procurar.
Leandro Haupt disse…
*-* Se tem 'bobagem' no meio ninguém esquece

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …