Avançar para o conteúdo principal

Encalacrado


Nessa madrugada de sábado, ouvindo os gritos histéricos do Galvão Bueno vindos da TV lá da sala, bem como aguentando o som alto do vizinho barulhento. Enquanto isso, revejo os capítulos iniciais do meu romance, que está parado devido principalmente ao mestrado. Muitas leituras e apresentação de trabalhos que retiram meu tempo para escrever ficção. Só espero que tudo isso me proporcione poder lecionar numa universidade.

Numa das disciplinas estamos estudando o jogo na literatura, por isso apresentei há alguns dias a leitura do conto “Lejana”, do livro Bestiario, de Cortázar, e agora tenho que apresentar a obra maior cortazariana. Estou relendo Rayuela de joelhos. Depois, vou estudar Los prémios. Estarei bem acompanhado nos próximos dias.

Aliás, o meu romance deve muito ao “enormísimo cronopio”. Não seria escritor se não tivesse lido as obras do argentino.

Comentários

As madrugadas são sempre muito produtivas pelo olhar cheio de vida do pensador... E como disse uma vez: "e que venham mais madrugadas!!!"
Abraço e sucesso em sua edificação!!!

Mensagens populares deste blogue

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …

"Cacos e outros pedaços" no Caderno de Sábado do Correio do Povo

O lançamento do meu livro na semana passada teve divulgação no Caderno de Sábado do jornal Correio do Povo, de Porto Alegre.