Avançar para o conteúdo principal

Diário de um fracasso anunciado: as angústias da criação (I)


24/03/11

Inicio hoje um diário, em princípio pessoal, mas que pode dar as caras na blogosfera. Desde o ano passado estou produzindo um romance e resolvi escrever sobre o processo de criação, tendo em vista meu projeto de dissertação de mestrado, que será justamente sobre a criação literária. Estou na fase de troca de ideias com meu orientador, que está empolgado com o tema proposto, mas preocupado com o andamento do romance, que será um dos objetos de estudo na pesquisa, inspirado em Altair Martins e outros autores.

16/04/11

Já e nada ainda?

22/04/11

Preciso retomar a escrita do romance.

15/05/11

Nada ainda? Leituras do mestrado e correção de provas me tiram muito tempo.

20/11/11

O mesmo que há 6 meses atrás.

26/11/11

A primeira reunião com o orientador me faz ter certeza de que o meu romance será um fracasso. Tenho a leve impressão de que o mestrado sepultará definitivamente minha já improvável carreira literária.

Comentários

Anónimo disse…
Fico entristecido em ouvir isso.
charlles campos disse…
Ops... esqueci de colocar a conta do google. De novo:

Fico entristecido em ouvir isso.
Cassionei Petry disse…
Posso ler uma ironia aí?
charlles campos disse…
Claro que não, cara. Eu seria muito mesquinho. Me entristeço SINCERAMENTE.
Cassionei Petry disse…
Tenho que ficar com um pé atrás depois de tuas críticas a minhas supostas influências. Aliás, é um dos temas que serão abordados no romance e na dissertação. Provavelmente tu serás citado.
charlles campos disse…
Cara, fiz isso para te atiçar. Sabes disso. Não conheço nada do que escreves, além de seus curtos textos aqui no blog, que não servem para base de análise de qualidade ficcional. O que me atrai no Cassionei escritor é justamente a sua paixão pela escrita, pelos livros, a sua determinação em moldar toda a sua vida em prol da escrita. Daí minha resignação diante ao que me desgosta no Cassionei escritor: as lamúrias diante o mercado editorial, e os sinais de desistência que não se justificam diante os pequenos percalços surgidos.

Não gosto muito do universo das amizades ciberespaciais: são amenas e sempre lisonjeiras demais. Não sei se gostas de futebol (esporte que a mim é indiferente), mas, percebo que no campo literário das minhas convivências virtuais, uso da mesma paixão de um fanático por um time qualquer para provocar. Dizer que tu és "bolaniense", é o mesmo que dizer, p. ex., que tu és um corintiano besta, ou as refregas entre os torcedores do inter com os do grêmio daí. Nada pessoal, e tudo investido de uma esbórnia que soa mais rancorosa por ser feita na forma escrita. Já percebeu o quanto a palavra escrita é sagrada, até nas formas de tornar terrível aquilo que, expresso verbalmente, não seria mais que uma simples trivialidade sem consequências.

Quando seu livro estiver pronto, compro um diretamente com vc, com dedicatória.
Cassionei Petry disse…
O que eu posso te dizer é: continue me atiçando. Aliás, para mim é importante um interlocutor como tu, que dedica parte do tempo para opinar, com qualidade, nos blogs, principalmente o do Milton, pelo qual temos uma admiração muito grande.
Quanto ao livro, está para sair, talvez em março ou abril, a edição dos meus contos, alguns já publicados no blog (se quiser conhecer parte da minha produção ficcional, está à disposição no blog.
Já as lamúrias, faz parte da minha personalidade, ou falta dela. Me frustro muito fácil, além de aceitar de forma igualmentte fácil a opinião negativa de outros.
charlles campos disse…
Rapaz, agora que vi o link ali dos seus contos. Vou lá.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…