Avançar para o conteúdo principal

Nos últimos dias estou sem ânimo para ler e escrever. A preguiça mental, como costumo chamar, me ataca nesta época do ano em que se acumulam provas de alunos com recuperação paralela e mais uma porção de redações sofríveis que tenho que corrigir. O mestrado, no entanto, me obrigou a driblar um pouco tudo isso, já que é preciso aprontar artigos para a conclusão das disciplinas.

Acabo, portanto, lendo textos de forma obrigatória, apesar de prazerosos, e escrevendo somente textos acadêmicos, salvo a coluna Traçando Livros, que impus a mim mesmo como um desafio de escrever de forma quinzenal. Por isso as lamúrias aqui no blog, o que deve ter afastado alguns leitores. Lamento, mas preciso desabafar e só faço isso escrevendo e, de preferência, publicando aqui. Com exceção, claro, do desabafo sobre o mestrado, texto que ficará inédito.

Me dói, entretanto, saber que estou desperdiçando meu tempo navegando na internet ou assistindo a programas medíocres na TV. Ontem, por exemplo, gastei preciosos minutos vendo uma partida de futebol. Atitude burra a minha.

Preciso me concentrar mais para ler. A fila de leituras se acumula, o romance pede mais páginas, há filmes clássicos a que preciso assistir, há o blog que precisa ser alimentado. Bem, e agora há uma resenha que precisa ser terminada. Até mais, meus queridos e silenciosos leitores.

Comentários

Fabiano Felten disse…
O silêncio... Como uma sessão de psicanálise, em que o psicanalisado geralmente não está muito à vontade com a quietude do psicanalista.

Não sou psicanalista, mas acho que você não vai se matar.

Mas, pensando melhor, será que, em permanecendo inédito esse desabafo sobre o Mestrado, um trauma seja alimentado? Ai, ai, ai, Cassionei...

Abração!
Cassionei Petry disse…
Vamos ver, vamos ver...

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …