Avançar para o conteúdo principal

Rubem Fonseca sai da toca e surpreende

Comentários

Muito bom. Nunca imaginei o Rubem Fonseca assim. Surpreendente mesmo.
Agora estou esperando o Dalton Trevisan sair da sua caverna e se revelar humorista de stand-up comedy.
charlles campos disse…
Fiquei um tanto decepcionado! Vejo esses autores reclusos como ilhas de resistência contra a exposição rock´n´roll (veja o texto na cia das letras do Teron) na mídia, e se predisporam a isso, não deveriam enfraquecer a intenção na velhice. Tenho como base Pynchon, outro grande recluso. É quase certo que é ele que narra o trailer promocional de Vício Inerente, lançado na campanha de divulgação. Acho que os fãs não apreciariam muito que ele desse as caras, pelo menos desse jeito tão evidente como fez Fonseca. Mas há uma enorme diferença entre a atitude dos dois: Fonseca há muito não escreve nada de valor, há muito MESMO, chegando a fazer que um fã inamovível como o Bressane escrevesse um texto pedindo pelamordedeus que ele não escrevesse mais nada, só gerisse o que já havia escrito. Pynchon ainda está à toda no front, escrevendo cada vez mais magnificamente. Fazer gracinhas ao vivo só evidencia sua senilidade artística.

Sobre Cheterton, acho que vc iria gostar muito de um voluminho da L&PM, chamado A Inocência do Padre Brown.

Abraço.
Máquinas narcisísticas acabam esmagando o escritor e escorrendo dele um caldo doce -- porque nada tem a ver com a escrita -- para um indivíduo que é consumidor antes de leitor. Daí as entrevistas feitas em esteira de produção: estantes ao fundo, escritor falando sobre mercado, você gosta de ebooks?, e blogs?; tudo, exceto literatura.
E daí, também, esse tipo de palestra.

Eu diria que a mesma lógica acima acaba se dando, também, nas salas de aula. Enfim, outro caso...

Conheço nada do Pynchon. Quero, mas não é muito comum eu ter dinheiro pra livros (quando tenho, gasto uns trinta reais numa penca de livros de sebo). Vou procurar um ebook agora mesmo, ao menos para provar um pouco.
Cassionei Petry disse…
Obrigado pelos comentários.
Charlles, estou tentando ler o Axilas, do Rubem. Os dois primeiros contos muito ruins. Mas, assim como fez o Idelber com relação ao Cortázar, não dá pra condenar o homem.
João, acredito que o Rubem se sentiu muito à vontade para falar lá, o que não acontece cá. Ele não precisa ser doce com ninguém. Mas concordo que a maioria faz só pose para vender.

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Uma resenha que não aconteceu

Terminei a leitura de Os invernos da ilha, de Rodrigo Duarte Garcia (Record, 462 páginas), já pensando em escrever uma resenha crítica, apontando alguns pontos positivos e outros negativos do romance. Antes de pôr a mão na massa, porém, entrei nas redes sociais e fiquei sabendo que a coluna do Raphael Montes, em O Globo, apontava a obra do Rodrigo como popular, para se divertir, e então desanimei.
Acontece que há um equívoco tremendo por parte de alguns autores e leitores de literatura de entretenimento quando afirmam que literatura policial, de mistério ou de aventura (em que se encaixaria Os invernos da ilha) são desprezados pela crítica. Este é o tom do texto de Raphael Montes. Ele e tantos outros se equivocam ao dizer que Rubem Fonseca, escritor já canonizado e que é objeto de estudos até em livros didáticos, não tem o reconhecimento que merece porque é taxado por fazer literatura menor. Ledo engano ou uma tentativa forçada de se colocar como vítima.
Ora, a “crítica” (coloco entre …