Avançar para o conteúdo principal

Eles que se danem ("Eles" III)


(O conto mais acessado do moribundo blog. Por que será?)
A mulher pegou suas coisas e se foi. João ficou olhando quieto, não entendendo bem o porquê da atitude. Iria ficar sozinho, ainda mais depois que o filho casou. Será que ela estava esperando só isso para ir embora? Está certo que estavam brigados há anos, mas não esperava que ela abandonasse a casa. O que seria dele agora, tão dependente da mulher? Não sabia cozinhar, lavar roupa... Teria de pagar alguém, o que consumiria quase todo a minguada aposentadoria. O que doeu nele ainda mais foi que ela nem disse adeus. 
Como companhia agora os amigos do bar. Era aonde ia todo o dia depois que se aposentou: jogar cartas, beber, conversar, observar o movimento na rua... Se ao menos tivesse uma mulher, mas nem isso conseguia, e apesar disso foi acusado pela ex de ter uma amante. Logo ele, tão retraído. Ela esquece que se, no começo, ela não tivesse mandado um recado por uma amiga dizendo que estava a fim de namorar com ele, jamais os dois se casariam.
Arrumar uma empregada que limpasse a casa, lavasse roupa e cozinhasse não foi difícil, mas sabia que agora o dinheiro seria pouco. Cerveja só de vez em quando, tinha que apelar pra pinga mesmo. E foi um companheiro de cachaça que indicou sua filha para trabalhar na sua casa:

-Ela tá estudando de noite num curso técnico e precisa trabalhar pra pagar os estudos. Ela é bem caprichosa, tu não vai se arrepender.

O brabo é se acostumar com uma pessoa estranha na casa, pensa ele, enquanto aguarda a moça. Mesmo sendo só algumas horas do dia.

Ela chega pontualmente no horário marcado e se apresenta:

-Meu nome é Maria.

João fica constrangido, pois o vestido da moça tem um decote do qual não consegue desviar os olhos. Também não consegue deixar de reparar que o vestido é curto e deixa à mostra as lindas pernas, mas se recrimina, pois ela deve ter idade para ser sua filha.

-Onde fica a cozinha, Seu João. Pelo adiantado da hora vou começar fazendo o almoço.



dorme no sofá de bruços e o micro vestido deixa à mostra sua calcinha branca aquela miragem não não é velho coisa nenhuma quarenta anos tá certo ela tem idade pra ser minha filha etc. além do mais é filha do meu amigo enfim mas ela tá provocando acho que ela quer por que não que pele macia ela tá acordando não posso mais voltar atrás ela me olha diz continua tiro sua calcinha e beijo sua bundinha ela geme agora minha língua ela empina sua bunda e abre as pernas pra isso não tem diferença de idade sua mão no meu pau sua boca no meu pau minha língua na sua buceta kama sutra cântico dos cânticos dedo no cuzinho por que não a língua ele grita ai que bom não grita tão alto por favor ah fodam-se os vizinhos foda-se o mundo o que os outros vão pensar ah seus seios durinhos tudo no lugar ela senta no meu pau ela domina ela é mais velha sou uma criança e ela não se sente culpada não não vou me sentir culpado agora seu cuzinho apertadinho ela continua no domínio grita pode gritar também vou gritar sua boca agora quer leite me masturba sim sim sim agora eles batem na porta eles que se danem que se dane o mundo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

No Traçando Livros de hoje, Milan Kundera e A arte do romance

Notas sobre os ensaios de Milan Kundera
1 Se alguns veem o romance como mero entretenimento, apenas mais uma forma de contar uma história, quando penso em literatura, penso no romance como forma de arte em primeiro lugar. O escritor, nesse caso, elabora as palavras em busca do efeito estético. Além disso, o autor também pode refletir sobre sua criação e a dos outros, formando assim, sua poética. É o que faz Milan Kundera em seu A arte do romance, de 1986, livro de ensaios relançado este ano pela Companhia das Letras numa bela edição de capa dura, seguindo a linha de outros relançamentos do autor de A insustentável leveza do ser. 2 Como a maioria das outras obras do escritor checo, esta também é dividida em sete partes, contendo um ensaio cada. Kundera fala sobre este número em entrevista para a Paris Review, dividida no livro em dois ensaios: “não é de minha parte nem coquetismo supersticioso com um número mágico, nem cálculo racional, mas imperativo profundo, inconsciente, incompreensíve…

Um toque

Chuva, café, música clássica e leitura. Daqui a pouco, o cachimbo. Combinação quase perfeita para uma manhã de dezembro, já de férias, final de ano, final de um péssimo ano. Os dedos escorrem pelas teclas com aquela necessidade de escrever algo. Não quero, porém, fazer nenhum balanço de final de ano como costumava fazer. As coisas ruins suplantaram as boas, peso maior para a morte trágica do meu pai, cujo rosto pude tocar pela última vez há pouco mais de dois meses. Os dedos continuam tateando o teclado. Há pouco estava lendo o romance O inverno e depois, de Luiz Antonio de Assis Brasil, editado pela L&PM. O protagonista, Julius, é um violoncelista, que tateia as cordas buscando o som perfeito, que toca no seu instrumento entre as pernas (o violoncelo, que fique claro) como se tocasse as curvas do corpo de uma mulher, que toca os cobertores que o protegem do frio do pampa, que toca o corpo das mulheres (Klarika, Constanza) como se tocasse seu cello. O toque é a preliminar do prazer…